Nancy Spector, diretora artística do Guggenheim

Considerada um dos nomes mais relevantes da arte mundial, Spector foi anunciada pelo diretor Richard Armstrong

Ana Abril

Publicado em: 20/02/2017

Categoria: Da Hora, Notícias Quentes

Nancy Spector, nomeada diretora artística do Guggenheim (Foto: Divulgação)

Após 29 anos trabalhando na Fundação Solomon R. Guggenheim, Nancy Spector é nomeada diretora artística da instituição. Spector será responsável por liderar as estratégias artísticas e conceituais das coleções, exibições e programas curatoriais do Museu Guggenheim de Nova York, assim como das outras sedes em Veneza, Bilbao e Abu Dhabi. Com Spector na direção artística, o Guggenheim pretende unificar e fortalecer as atividades artísticas de todas as sedes-satélites, assim como cuidar das coleções privadas, iniciativas e públicos de cada museu. O anúncio foi realizado em 15/2 (quinta-feira) pelo diretor da Fundação, Richard Armstrong.

Durante suas quase três décadas na Fundação, Spector passou dez anos no cargo de curadora-chefe Jennifer and David Stockman. Em abril de 2016, Spector foi nomeada vice-diretora e curadora chefe do Brooklyn Museum. Em 2014, foi considerada pelo site Artnet uma das 25 mulheres mais importantes do mundo da arte, relevância que foi confirmada pela Forbes, que a colocou na lista “40 Mulheres para Acompanhar com mais de 40 anos”.

A diretora artística reforçou sua satisfação com seu novo papel no Guggenheim: “Tem sido um privilégio participar no envolvimento vital do museu com sua comunidade e abordar as possibilidades de sua coleção enciclopédica. Mas quando Richard Armstrong me ofereceu o posto de Direção Artística no Guggenheim, eu simplesmente não pude deixar passar essa extraordinária oportunidade”.

Tags: , , , , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.