Não curtimos

Os personagens e as manias dos Feicechatos

Giselle Beiguelman

Publicado em: 09/12/2013

Categoria: Da Hora

Pessoas que dão boa noite no Facebook, gente que manda beijos no coração, compulsivos que atualizam seu status de minuto em minuto, contando que estão tomando chá com a tia e que seu bebê falou Bu, ou algo de relevância tão fundamental quanto, são algumas das coisas mais odiáveis e típicas da vida social 2.0.

E o povo do “Obrigado por me add”? Pode anotar, em geral, são aqueles que vão te marcar em imagens celestiais e te matarão de constrangimento publicamente, associando seu nome a Jesus, Moisés, Maomé, Buda ou outra divindade alternativa qualquer.

Fantasporto-horror-film-festivallike_body

Cartaz de promoção do 31º Festival Internacional de Cinema do Porto, patrocinado pelo Jornal de Notícias (Divulgação)

 

Pior que isso só aquele namorado/namorada de 200 anos atrás que surge do Além para comentar com toda intimidade forçada seu status, sempre naquele clima de vergonha alheia pouca é bobagem. Ah, sim, tem também o coleguinha da escola com quem você não tem contato desde o pré-primário e que reaparece na sua timeline para compartilhar sua admiração pelo Bolsonaro, suas saudades dos anos de chumbo e postar aquela foto ridícula em que você aparece fantasiado de Topo Giggio, imitando Roberto Carlos na Jovem Guarda.

Texto publicado originalmente na edição impressa #15. É parte do concurso Feicechatos, que vai dar ao ganhador um ano de assinatura grátis da revista seLecT.

Tags: ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.