Navegue contra a corrente

Mariel Zasso

Publicado em: 27/03/2012

Categoria: Da Hora, se linka

Extensão para navegadores web permite monitorar (e bloquear) o tráfego de informação pessoal a terceiros

Brian-kennish

Legenda: Brian Kennish saiu do Google para se dedicar ao software Disconnect.me, projeto que ele desenvolveu em mesas de cafeterias (Foto: PostDesk)

Se você gosta de usar a web e serviços como Facebook e Google, mas não quer estes e outros grandes da web acompanhem e registrem sua atividade online, talvez seus problemas tenham acabado.

Na era do compartilhamento sem fim, super cookies, cruzamento de dados em redes sociais, reconforta saber que, sim, há gente desenvolvendo softwares em prol da nossa privacidade online.

Tudo começou quando Brian Kennish, funcionário do Google, criou o Facebook Disconnect, uma extensão do Chrome que desabilita todo o tráfego de terceiros para os servidores do Facebook mas ainda permite acesso ao Facebook em si.

A extensão foi um sucesso instantâneo, alcançando nada mais nada menos que 50 mil usuários ativos em apenas duas semanas (contando hoje com mais de 200 mil), levando Kennish a deixar seu emprego no Google para dedicar-se exclusivamente uma cruzada solidária: permitir que os usuários comuns da web retomem o controle sobre seus dados.

O engenheiro do Google ampliou a ideia inicial e lançou então o Disconnect.me, aplicando o mesmo método por trás do Facebook Disconnect a outros sites lotados de aplicações de terceiros, como Digg, Google, Twitter, e Yahoo, permitindo que o usuário desabilite o rastreamento de dados enquanto navega.

Disconnect

Legenda: No site do projeto: “Nossa política de privacidade em uma frase: Nós não armazenamos seu endereço de IP ou qualquer outra informação pessoal, exceto seu endereço de email, se você quiser que a gente escreva.”

Atraindo, no total, mais de 400 mil usuários ativos por semana, Kennish conta que sua ferramenta de proteção da privacidade acabou sendo muito mais popular do que ele esperava. Assim, o projeto paralelo virou uma start up, a Disconnect.me, fundada em conjunto com outro ex-engenheiro do Google, Austin Chau e um defensor dos diretos do consumidor, Casey Oppenheim.

Lançada oficialmente no final do ano passado, a companhia tem como missão uma premissa simples: dados pessoais pertencem às pessoas, não às corporações. O Disconnect.me está sendo construído como uma plataforma completa que permita ao usuário controlar quem faz o que com seus dados online.

Depois de ajudar os usuários a interromper o livre tráfego de informação pessoal a terceiros, o próximo passo será permitir que os usuários tenham controles customizados, para que passem a compartilhar informação pessoal quando e como eles bem entenderem.

Bem a tempo de armar os usuários de uma resposta às mudanças na política de privacidade do Google (que na verdade juntou 70 políticas em uma única, permitindo que a companhia combine todos os dados que tem seus em um único perfil), o time está lançando Google Disconnect e Twitter Disconnect para Chrome, Firefox, e Safari.

A Disconnect.me é uma empresa em construção que, segundo seus fundadores, continuará interessada em proteger os usuários das milhares de empresas que rastreiam, analisam e vendem seus históricos de navegação e busca sem dar a mínima satisfação a qualquer que seja dos milhões de usuários da web espalhados pelo mundo.

Aliás, pelo menos por enquanto, a Disconnect.me é coerente: não armazena o seu endereço IP ou qualquer informação pessoal. Somente seu email, caso você queira.

(Imagem da home: Abracapocus_pocuscadabra/Flick)

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.