Ninguém vai tombar nossa bandeira

Em tempos de carnaval pandêmico, a curadora Julia Lima propõe projeto de ocupação da cidade

Da redação

Publicado em: 19/02/2021

Categoria: Da Hora, Destaque

Ofegante Epidemia (2021), de Felippe Moraes (Foto: Rafael Craice)

Com título emprestado de um verso da canção Guerreira, interpretada por Clara Nunes, o projeto Ninguém Vai Tombar Nossa Bandeira, com curadoria de Julia Lima, é uma proposta de ocupação da cidade durante o Carnaval em meio à pandemia. Com participação de mais de 40 artistas, as bandeiras se espalham pelos portões, janelas, sacadas e em uma exposição no Centro Cultural da Diversidade, em São Paulo. “Este projeto de exposição nasceu da saudade de um carnaval que não vai acontecer; do desejo de presença do corpo, suspensa por uma epidemia; da ânsia por falar e dizer; de um luto e melancolia pairando no ar; mas, e principalmente, da alegria de poder reunir artistas em festa, mesmo que distanciados.”, anuncia a curadora em seu texto de apresentação. Disponível até 21/2, o projeto completo, com playlist, mapas de localização e imagens dos trabalhos pode ser conferido em bandeiras.art. Veja imagens em galeria abaixo.

  • Blackflag (2015), de Fabio Tremonte (Foto: Rafael Craice)
  • Seu fim é político (2021), de Julia Saldanha (Foto: Rafael Craice)
  • 2720 . Viva Maria (2017), de Lívia Aquino (Foto: Rafael Craice)
  • Sem título (2021), de Gustavo Torrezan (Foto: Rafael Craice)
  • Pra quando o carnaval chegar (2021), de Nara Rosetto (Foto: Julia Lima)
  • Ponto de vista (2021), de Daniela Avelar (Foto: Julia Lima)
  • Polvo (2021), de Leandro Muniz (Foto: Rafael Craice)
  • Não tão violentas (2017-2021), de Raphael Escobar (Foto: Teia Documenta)
  • Estamos em mudança (2018), de Mano Penalva (Foto: Rafael Craice)
  • Tu (2021) e Carnaval meu (2021), de Carla Chaim (Foto: Rafael Craice
  • Bandeira de artista (2014), de Carlos Monroy (Foto: Rafael Craice)
  • Símbolo Nacional Pregado Com Fita Adesiva (2020), de Tomie Savaget, Escancarado [série novasbandeiras], (2017), de Traplev e Carne queimada (2021), de Mariane Beline (Foto: Rafael Craice)
  • 44 Práticas Antirracistas (2021), de Alan Ariê (Foto: Romeu Assunção)
  • Aviso #3 (2020), de Ana Teixeira (Foto: Rafael Craice)
  • MASSA REAL (2021), de Bruna Amaro (Foto: Rafael Craice)
  • Retalhos sobre tela (2021), de Carmen Garcia (Foto: Rafael Craice)
  • Ganhadeiras (2020), de Daniele Queiroz (Foto: Daniele Queiroz)
  • O cinismo da certeza (2021), de Felipe Cidade (Foto: Felipe Cidade)
  • Nação (Elon Musk) (2021), de Kauê Garcia (Foto: Rafael Craice)
  • Liberdade ainda que tardia (2020), de Luana Lins (Crédito: Rafael Craice)
  • BANDEIRA [Fragmento] (2016-atual), de Marília Scarabello (Foto: Rafael Craice)
  • Grito parado no ar (2021), de Renan Marcondes (Foto: Julia Lima)

Tags: , , , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.