Novo curador MAM Rio

Após saída de Luiz Camillo Osorio, Fernando Cocchiarale assume novamente curadoria do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

Publicado em: 08/01/2016

Categoria: Da Hora, Notícias Quentes

Vicente de Mello - MAM RJ entardecendo - série Arquitetura Posada, 2001 - 2010

Em novembro de 2015, Luiz Camillo Osorio deixou a curadoria do MAM Rio para assumir diretoria do departamento de Filosofia da PUC-RJ. Dois meses após o anúncio sobre a mudança, a instituição carioca anunciou na tarde desta sexta-feira (8) que Fernando Cocchiarale retorna ao cargo de curador de artes visuais do museu, posição que ocupou também entre 2001 e 2007. Confira abaixo comunicado completo divulgado pela assessoria de imprensa.

Fernando Cocchiarale (Foto: Vera Donato)

Fernando Cocchiarale (Foto: Vera Donato)

“O presidente do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Carlos Alberto Chateaubriand, anuncia que o novo curador de artes visuais será Fernando Cocchiarale. Carioca, nascido em 1951, Fernando Cocchiarale é doutor em Tecnologias da Comunicação e Estética pela Escola de Comunicação da UFRJ (2012), e desde 1978 é professor de Estética do Departamento de Filosofia da PUC-RJ, e professor há 25 anos da Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Sua ligação com o MAM remonta a 1972, quando iniciou sua formação em artes visuais, justamente em um curso no Museu, de que foi curador de artes visuais entre 2001 e 2007.

‘Fernando Cocchiarale tem o perfil que buscávamos para assumir a curadoria de artes visuais, ocupada por seis anos por Luiz Camillo Osorio, que deixou o cargo para ser diretor do Departamento de Filosofia da PUC-RJ’, afirma o presidente do MAM. ‘Fernando conhece muito bem o acervo, fez 128 curadorias no período em que esteve no Museu, é querido por artistas e colegas, e foi responsável por aquisições importantes para o MAM, por meio de dois projetos selecionados pelo programa Petrobras Cultural, em 2001 e 2002, em um valor total de  um milhão de reais’, acrescenta.

Fernando Cocchiarale é autor de vários livros, como Abstracionismo Geométrico e Informal: A Vanguarda Brasileira dos Anos 50 (com Anna Bella Geiger), Rio de Janeiro, MEC/ Funarte, 1987; e Quem Tem medo da Arte Contemporânea, Recife, Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2006; e publicou cerca de 200 artigos, textos e resenhas em coletâneas, catálogos jornais e revistas de arte do Brasil e do exterior. Foi coordenador de artes visuais da Funarte entre 1990 e 1998; membro da Comissão Curadora do Projeto Rumos Visuais em 1999 e 2000, projeto de que foi curador-coordenador entre 2001 e 2002; curador da Casa de Cultura Laura Alvim, no Rio de Janeiro, em 2011 e 2012, e curador de mostras de arte contemporânea do Santander Cultural, em Recife.

Dentre as várias curadorias recentes que assinou, estão as exposições Filmes de Artista – Brasil 1965/1980 (Oi Futuro, Rio de Janeiro, 2007); Brasília e o Construtivismo: um encontro adiado (Centro Cultural Banco do Brasil, Brasília, 2010); Hélio Oiticica – Museu é o Mundo (curadoria com César Oiticica Filho; Itaú cultural, São Paulo; Paço Imperial e Casa França Brasil, Rio de Janeiro; Museu Nacional do Conjunto Cultural da República, 2010), Waldemar Cordeiro: Fantasia Exata (curadoria com Arlindo Machado, Itaú Cultural, São Paulo, 2013, e Paço Imperial, Rio de Janeiro, 2014).

Fernando Cocchiarale diz estar muito contente com o convite, e que ‘o MAM é, há 60 anos, um dos mais importantes museus do país’. Ele conta que chega à instituição com ‘um novo olhar’. ‘O Museu não é o mesmo, eu não sou o mesmo, e o Rio não é o mesmo’, afirma.”

Tags: , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.