O caminho se faz ao andar

Na era da imagem, filmar o vento ou converter imagens em pó são gestos políticos. Assim Ismaïl Bahri faz seu filme-dispositivo

Paula Alzugaray
"Desenlace" (2011), de Ismaïl Bahri, no Espaço Cultural Porto Seguro

O trabalho do franco-tunisiano Ismaïl Bahri se aproxima de uma prática do documentário brasileiro contemporâneo definido pela teórica e documentarista Consuelo Lins como “filme-dispositivo”. O termo se refere aos filmes que prescindem de roteiro em favor de estratégias de filmagem que não tem por função refletir uma realidade pré-existente, nem obedecer a um argumento construído antes. A realidade não existe de antemão nos trabalhos que Bahri apresenta na mostra “Instrumentos”, no Espaço Cultural Porto Seguro, em São Paulo. Nas nove videoinstalações que compõem a exposição, os acontecimentos se formam no instante da filmagem, são diretamente influenciados pelos instrumentos construídos pelo artista e imediatamente provocados pela movimentação de seu corpo e de seu olhar.

“Desenlace” (2011), de Ismaïl Bahri, no Espaço Cultural Porto Seguro

 

Os instrumentos de Ismaïl Bahri são objetos simples engajados em tarefas elementares – um copo com tinta preta que faz as vezes de lente de observação do mundo; um novelo de lã usado para medir a distâncias entre um corpo e a câmera que o filma; um papel que é continuamente amassado e desamassado; uma gota d’água pousada sobre uma veia mede a temporalidade de um corpo.

Os roteiros dos filmes de Bahri fazem-se no ato – numa espécie de eco do poema de Antonio Machado: Caminhante no hay caminho, se hace caminho al andar. O vídeo “Orientações” é um plano-sequência de câmera subjetiva que registra a mão do artista segurando um copo cheio de tinta, ao longo de uma caminhada pelas ruas. O objeto funciona como uma lente que reflete, enfoca e desfoca a realidade ao redor, mas também como uma bússola que orienta o caminho. O pensamento – ou roteiro – se faz no caminhar.

No vídeo “Reverso/Inverso/Avesso”, mãos que amassam uma página de revista são convertidas em instrumentos de decomposição de imagens. “Cinco minutos é o tempo de desconstruir uma imagem”, diz Bahri a seLecT. “A página perde a imagem e se confunde com a pele que a manuseia. Este trabalho fala sobre sermos afetados pelas imagens que nos cercam e sobre o ato de afeta-las”.

O vídeo que Bahri considera o mais importante da mostra, “Lareira/Foco”, é (quase) totalmente branco. Formado apenas por manchas produzidas pelo vento que agita um papel branco pregado à lente da câmera e pelo áudio das indagações e reflexões que o trabalho suscita nos transeuntes dos lugares por onde ele passa.

Na atual ‘era da imagem’, em que bilhões de fotos são publicadas e esquecidas diariamente na internet, instrumentos criados para filmar o vento ou para converter imagens em pó são gestos políticos.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.