O q faço é poesia

Linguagem poética atravessa toda a obra de Montez Magno, exposta em individual na Galeria Pilar

Paula Alzugaray

Publicado em: 13/04/2016

Categoria: Da Hora, Review

Detalhe de obra de Montez Magno (Foto: Divulgação)

“Há tempo de escrever e há tempo de pintar. E há tempo de não fazer absolutamente nada”. O poema de Montez Magno exposto na parede da galeria Pilar, em São Paulo, integra a exposição Poemata (É Tudo Poesia). Extraídas do livro Floemas (1970-77), as palavras ali ganham o espaço, libertando-se da moldura das páginas, e dividindo a cena com 40 pinturas, esculturas, desenhos, colagens e outros poemas.

Com curadoria de Lisette Lagnado, a mostra procura evidenciar os diálogos entre escritura e pintura na obra do artista pernambucano nascido em 1934 e ativo até hoje. Pintor, escultor e escritor, Montez Magno é acima de tudo um inventor – de cidades imaginárias, para as quais realiza maquetes; e de linguagem.

Da série Cidades Imaginárias, 1972 (Foto: Divulgação)

Da série Cidades Imaginárias, 1972 (Foto: Divulgação)

Suas inflexões poéticas – que Lagnado aqui expandiu para o espaço – não se resumem à linguagem verbal e estão, portanto, impregnadas em toda obra plástica, das “Cartas Celestes” ao álbum “Notassons” (desenhos sobre partituras).

As relações não hierarquizadas entre os dois regimes de criação levou a curadora a associar a poesia de Magno ao papel que a música ganhou na obra de Hélio Oiticica, que, num dado momento de sua carreira, descobriu que tudo o que fazia o levava ao elemento musical. Extraída de um texto de HO, a frase “O q faço é música” virou título de uma individual em 1986.

Sonata para Olho e Ouvido (1970), do álbum Notassons

Sonata para Olho e Ouvido (1970), do álbum Notassons (Foto: Divulgação)

 

Floemas (Foto: Divulgação)

Floemas

Poemata (é tudo poesia) – Montez Magno, curadoria Lisette Lagnado, até 21/5, Galeria Pilar, Rua Barão de Tatuí 389, São Paulo

Tags: , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.