O retorno da Bolsa Pampulha

Esta é a última semana de inscrições no edital de residência em Belo Horizonte, que volta a acontecer após intervalo de três anos

Da redação
Museu de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte (Foto: Ricardo Laf)

A Bolsa Pampulha foi criada em 2003 por Adriano Pedrosa quando era curador do Museu de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte, com objetivo de estimular a produção e pesquisa em artes visuais na capital mineira. O edital foi uma reformulação do Salão Nacional de Arte do Estado, que já tinha 80 anos de existência. Muitos artistas em início de carreira ganharam projeção com o programa, como Cinthia Marcelle, Marilá Dardot, Paulo Nazareth e Sara Ramo. Sua última edição aconteceu entre 2015 e 2016. Agora, a Bolsa Pampulha retorna para o edital 2018/2019, lançado a partir de uma parceria com o JA.CA – Centro de Arte e Tecnologia.

As inscrições para a 7ª edição do Bolsa Pampulha, equivalente ao 33º Salão Nacional de Arte de Belo Horizonte, estão abertas até o próximo domingo, 10 de fevereiro. Gratuitas, devem ser feitas pelo site bolsapampulha.art.br. Podem se inscrever artistas e coletivos de qualquer região do Brasil que tenham entre 18 e 35 anos, tenham realizado até três exposições individuais ou tenham até cinco anos de atividade artística.

Serão selecionados dez proponentes para realizar uma residência de seis meses em BH entre março e setembro de 2019, durante a qual terão acompanhamento de críticos convidados, e participar de uma exposição no final desse período. Os escolhidos receberão bolsas de R$ 12 mil e mais R$ 5 mil que devem ser usados para a produção de uma obra. O artista escolhido deverá doar um trabalho para o acervo do Museu de Arte da Pampulha como contrapartida.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.