Pampulha recebe título de patrimônio mundial

Vencedor da categoria da Unesco que enfoca arquitetura, urbanismo e paisagismo modernistas foi anunciado no dia 17/7 (domingo), em Istambul

Da redação

Publicado em: 18/07/2016

Categoria: Da Hora, Notícias Quentes

Fachada da Igreja de São Francisco de Assis, com mural criado por Candido Portinari (foto Antonio Koenikgam/Flickr)

A Unesco criou uma nova classificação de patrimônio histórico, voltada para obras arquitetônicas modernistas. E adivinhe quem foi um dos 22 indicados ganhador do título? O Conjunto Moderno da Pampulha, em Belo Horizonte, composto pela Igreja de São Francisco de Assis, o Cassino (atual Museu de Arte da Pampulha), a Casa de Baile (Centro de Referência em Urbanismo, Arquitetura e Design de Belo Horizonte) e o Iate Golfe Clube (Iate Tênis Clube), construídos entre 1942 e 1943.

O projeto da Unesco começou em 2001 e tem por objetivo alertar sobre a herança arquitetônica, urbanística e paisagística do modernismo que está particularmente vulnerável graças à pouca fiscalização e à baixa apreciação do público em geral. A reunião oficial, prevista para o dia 16/7 (sábado), foi adiada  por conta das implicações políticas do golpe de Estado sofrido pelo governo turco no dia 15/7 (sexta-feira). Entretanto, a reunião foi realizada no dia 17/7 (domingo), na qual os 21 países integrantes do comitê ratificaram a escolha do complexo da Pampulha.

Com o título em mãos, o conjunto passa a integrar o 20º sítio brasileiro reconhecido mundialmente pela Unesco – a lista inclui patrimônios culturais e naturais, como o complexo de áreas protegidas na Amazônia, o plano piloto da cidade de Brasília ou o Centro Histórico de Salvador. Agora, o governo brasileiro se compromete com um plano de gestão conjunta com a Unesco para garantir a conservação contínua do espaço.

Tags: , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.