Para o ministério público, não houve crime na performance La Bête de Wagner Schwartz

Procuradoria pede arquivamento de investigação sobre suposto crime de pornografia infantil

Da redação
Wagner Schwartz realizando performance no Goethe-Institut Salvador-Bahia em 2016 (Foto: Maíra Spanghero)

Foi divulgada nesta quinta-feira, 22/2/18, a decisão do Ministério Público Federal a respeito da performance La Bête, de Wagner Schwartz. Após acusações ao artista, o orgão declarou que não houve crime de pornografia infantil no trabalho artístico. Para que a ação fosse caracterizada como criminosa, seria necessário contexto erótico. E não foi o caso.

Também foi descartada a investigação sobre o Museu de Arte Moderna de São Paulo, onde ocorreu a performance em 2017, por violação a direitos de crianças e adolescentes. De acordo com o MPF, a instituição agiu de acordo com as suas obrigações, que consistem em informar o público sobre a faixa etária recomendada e a natureza do evento.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.