Passado irradiado

Paulo Darzé Galeria recebe Transtemporais, curadoria de Daniela Bousso que tem a fotografia como eixo

Luciana Pareja Norbiato

Publicado em: 19/10/2016

Categoria: Da Hora, Destaque, Notícias Quentes

Cambará do Sul 2, RS (2016), de Ricardo Van Steen (reprodução)

Expoente das artes visuais soteropolitanas, a Paulo Darzé Galeria inicia um novo passo em sua trajetória. A partir desta quinta, 20/10, o espaço recebe sua primeira exposição com curadoria externa. Mais especificamente, Daniela Bousso encabeçou a empreitada, que ganha o título de Transtemporais e tem como eixo a fotografia no trabalho de quatro artistas: Caetano Dias, Cassio Vasconcellos, Pedro Varela e Ricardo Van Steen, diretor de arte da seLecT.

  • Rio Doce (2016), de Caetano Dias
  • Sem título (2016), de Pedro Varela
  • Viagem Pitoresca #31 (2015), de Cássio Vasconcellos

Apesar de a fotografia ser fio condutor e tema, não é abordada canonicamente. Partindo da ideia dos registros históricos dos primeiros artistas vindos ao país desde o século 16 e daqueles produzidos depois do advento da imagem estática, os trabalhos se apropriam da foto por meio de suas junções com pintura, colagem, objeto e performance.

Esta última é registrada por Caetano Dias em fotos que têm seu corpo como protagonista. Assim, amplia as incursões realizadas ao longo de sua trajetória pelas inbricações entre o sagrado e o cotidiano derivadas da colonização. Em busca de uma paisagem que remeta à original encontrada no Brasil primevo, Cassio Vasconcellos manipula a imagem fotográfica por uma série de artifícios até chegar em florestas inventadas, mas inspirada nos registros dos artistas das missões coloniais.

Essa iconografia à moda de Debret, com personagens e elementos que embaralham a noção de tempo por seus contornos nostálgicos, também se faz presente no trabalho de Pedro Varela. Mas o artista atualiza esse imaginário com o uso do azul que remete à azulejaria portuguesa e no traço pictórico.

  • Mamanguá 1, SP (2015), de Ricardo Van Steen (reprodução)
  • Jaboticaba, ES (2015), de Ricardo Van Steen (reprodução)
  • Arquivo Tupi, Urna 1 (2015), de Ricardo Van Steen (reprodução)

Pintura, colagem, dobradura e superposição são as subversões inseridas por Ricardo Van Steen em fotografias amealhadas ao longo de cerca de três décadas. Nas palavras da curadora para o catálogo da exposição, “o ponto de partida são fotos, a maioria produzida por Steen, e algumas encontradas em documentos antigos. A partir de uma série de operações que subvertem a função do fotográfico, seja como registro ou como representação do real, ele cria polaridades entre revelação e desaparição do referente, altera as cores para marcar a passagem do tempo, chegando por vezes ao quase apagamento das imagens, às quais aplica digitalmente camadas de história, pintando sobre as mesmas com aquarela ou tinta acrílica e aí obtém um objeto único”.

Além de uma visita guiada com Daniela Bousso na abertura, a mostra conta com um bate-papo com mediação da curadora e a presença dos artistas, da galerista Thais Darzé e da diretora da revista seLecT, Paula Alzugaray, no dia 21/10. Transtemporais fica em cartaz até 19/11.

Serviço
Transtemporais
Paulo Darzé Galeria
Rua Doutor Chrysippo de Aguiar, 8, Corredor da Vitória, Salvador
De 20/10 até 19/11
De segunda a sexta-feira, das 9h às 19h; sábados, das 9h às 13h
Tel.: (71) 3267 0930

Tags: , , , , , , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.