Pequenas descobertas

“Queremos que a PARTE seja conhecida como o lugar dos achados”, conta Lina Wurzmann, uma das fundadoras da feira de arte que ocupa o Paço das Artes até dia domingo (8)

Camila Régis

Publicado em: 06/11/2015

Categoria: Da Hora, Mercado de Arte

Legenda: Obra de Manuel Archain, exposto na galeria argentina Pabellón4 Arte Contemporáneo

Mesmo com a chuva intensa que caiu em São Paulo na última quarta-feira (4), o Paço das Artes teve seus corredores disputados por visitantes, galeristas, artistas e curiosos. Lá acontece, até o próximo domingo (8), a quinta edição da feira PARTE, que reúne 31 galerias brasileiras, 6 argentinas e 3 colombianas. A edição deste ano explora, entre outros aspectos, a relação efervescente que existe entre a arte e a cidade.

“Buscamos esse olhar para a arte urbana, nessa edição, muito pelo o que a cidade em si está mostrando. Trouxemos o Caligrapixo, que é pichador, não um grafiteiro. A feira é sobre novidades e a gente quer sempre estar nessa ponta, sentido as tendências”, conta Lina Wurzmann, uma das criadoras do evento, ao lado de Tamara Perlman. “Queremos que a PARTE seja conhecida como um lugar de achados”.

A vontade da feira de estar em sintonia com o que se passa no espaço urbano aparece em alguns estandes, trabalhos em exibição e na programação paralela. Criado por Mônica Nador, a associação sem fins lucrativos JAMAC (Jardim Miriam Arte Clube) apresenta na feira uma série de estênceis, feita em parceira com artista e moradores que participam de oficinas em bairros Jardim Miriam, na zona sul de São Paulo, e Jardim Santo André, no ABC Paulista. “Trabalho numa chave que chamo autoria compartilhada. Todas as peças que estão aqui são desenhos feitos pelas pessoas que fazem oficinas comigo”, conta Mônica.

Myrine Vlavianos_diego De Los Campos-desenho-em-nanquim-66x94-2015-1

Diego de los Campos, desenho em nanquim exposto na galeria Myrine Vlavianos

Realidade
Obviamente, um dos assuntos mais em pauta no mercado de arte é o impacto da recessão econômica nas cifras das feiras. Sem grandes alardes, Lina se mostra realista diante das possibilidades atuais do cenário.”Esse ano estamos com medo de comentar se vai ser bom ou ruim. A minha suspeita é que o ticket médio da venda vai ser um pouco menor, mas não acredito que não haverá vendas. Quem ama arte, ama”, conta. “Ano passado, a PARTE aconteceu uma semana depois das eleições e achamos que seria péssimo. Não sabíamos como estavam os ânimos porque a compra de arte é uma compra emocional, mais que tudo. Mas foi super bom”, relembra.

Impressos

Uma tendência atual nas feiras de arte, as publicações, que podem ser tanto apenas uma impressão de fato, sem fazer parte de uma série numerada, quanto os chamados livros de artista, quando existe um número limitados de cópias, estão entre os destaques do evento, que conta com essa iniciativa desde 2012. Duas das 40 galerias estão comercializando livros de artista e um espaço especial para publicações, zines e livros ocupa espaço central do porão na Cidade Universitária.

A programação completa e a lista de galerias que participam do evento estão disponíveis no site oficial da feira.

Serviço

PARTE – Feira de Arte Contemporânea
Paço das Artes – São Paulo (SP)
Cidade Universitária: av. da Universidade, 1
Tel. (11) 3814-4832.
Quarta das 13h às 21h, exclusivo para convidados
Quinta e sexta, das 13h às 21h, sábado e domingo, das 11h às 19h
Aberto ao público e gratuito

Tags: , , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.