Premiére póstuma

Luciana Pareja Norbiato

Publicado em: 06/01/2015

Categoria: Da Hora, exposições e bienais

Exposição com obras icônicas do fotógrafo Thomaz Farkas termina no próximo dia 9 de janeiro

Farkas_body

Legenda: Salvador, década de 1970 (foto: Thomaz Farkas/cortesia Luciana Brito Galeria)

Pioneiro da fotografia experimental no Brasil ao lado de Geraldo de Barros e German Lorca, o húngaro naturalizado brasileiro Thomaz Farkas (1924-2011) nunca realizou em vida uma individual em galeria comercial. Agora ganha ampla exibição que inclui conjuntos icônicos (como as imagens de Brasília e a série Recortes, de acentuado caráter experimental ressaltado pelo jogo de luz e sombra) e material inédito dos últimos anos de vida, como a série de imagens de bailarinas. A mostra é resultado do aprofundamento de um trabalho iniciado pelo Instituto Moreira Salles na catalogação e exibição de sua obra. Os curadores Sergio Burgi e João Farkas, filho do artista, reuniram um amplo conjunto de quase cem fotografias, além de assinarem textos críticos do livro homônimo, lançado simultaneamente à exposição. Entre as fotos, destaca-se a série colorida clicada nos anos 1970 no Nordeste, primeira investida a cores do fotógrafo. Na época, Farkas passou a se interessar pelos grotões inexplorados do País e pela Sétima Arte, produzindo, fotografando e mesmo dirigindo diversos documentários, além de incentivar nomes como Eduardo Escorel, Maurice Capovilla e Paulo Gil Soares. Durante a empreitada, batizada com o nome significativo de Caravana Farkas, foi registrando os cenários onde os filmes se passavam. Uma das locações privilegiadas foi a cidade de Salvador, seus personagens e paisagens.

Thomaz Farkas – Memórias e Descobertas, até 9/1/15, Luciana Brito Galeria, Rua Gomes de Carvalho, 842, São Paulo

*Agenda publicada originalmente na edição #21

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.