Pussy Riot encarcerados e banidos de eventos esportivos

Depois de ação durante final da copa do mundo, membros do coletivo feminista são condenados a 15 dias de prisão

Publicado em: 24/07/2018

Categoria: Da Hora, Destaque, Notícias Quentes

Olga Pakhtusova, do Pussy Riot, sendo levada do campo de futebol onde ocorreu a final da copa do mundo (Foto: Reprodução)

De acordo com reportagem do portal americano Artsy, quatro membros do grupo de punk rock feminista Pussy Riot foram condenados a 15 dias de prisão. O motivo da sentença é a ação do coletivo chamada Policeman Enters de Game (Policiais entram no jogo, em português), realizada durante a última partida de futebol da copa do mundo de 2018, final entre França e Croácia. O objetivo da ação era conscientizar a respeito dos abusos a diretos humanos cometidos pela Rússia, país que sediou o campeonato. Além da prisão, os quatro membros estão proibidos de frequentar eventos esportivos pelos próximos três anos.

Conforme tweet do coletivo, a ação também fazia tributo ao artista dissidente e poeta Dmitri Prigov (1940- 2007), que foi encarcerado pela K.G.B em um hospital psiquiátrico soviético em 1986 e morreu há 11 anos.

No dia 17 de julho, o Pussy Riot lançou uma nova música chamada Track About Good Cop (Faixa sobre o bom policial, em português), acompanhada de uma lista de demandas do coletivo que inclui “Libertem membros do Pussy Riot Olga Pahtusova, Olga Kuracheva, Nika Nikulshina e Peter Verzilov, que foram aprisionados por 15 dias pela ação Policeman Enters The Game durante a copa do mundo”.

Leia a reportagem do Artsy aqui.

Tags: , , , , , , , , , , , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.