#queremosqueer

EAV Parque Lage promove leilão com 70 artistas e show beneficente de Caetano Veloso para viabilizar a remontagem de Queermuseu

Da redação

Publicado em: 15/03/2018

Categoria: Da Hora, Destaque, Notícias Quentes

Obras do leilão #queremos queer em montagem (Fotos: Divulgação)

A Escola de Artes Visuais (EAV) do Parque Lage promove na quinta-feira 15/3 duas atividades a fim de arrecadar verba para a remontagem da exposição Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira. A mostra aconteceu em 2017 no Santander Cultural de Porto Alegre mas foi encerrada antes do previsto devido a protestos.

A partir de 20h acontece o leilão aberto ao público #queremosqueer, apresentado pelo colecionador Jones Bergamin e pela produtora cultural Paula Lavigne. As obras leiloadas foram doadas por 70 artistas de diferentes gerações e o valor arrecadado pelas vendas será revertido integralmente ao financiamento de Queermuseu. Adriana Varejão, Anna Bella Geiger, Antonio Manuel, Ernesto Neto, José Bechara, Luiz Zerbini e Nuno Ramos são alguns dos artistas que doaram trabalhos.

Após o leilão, às 22h, Caetano Veloso apresenta show beneficente, com ingressos a R$ 500 (inteira) e R$ 250 (meia) à venda pelo site: todoscontracensura.byinti.com. A verba recebida também será investida de maneira integral na remontagem da exposição na EAV.

Os dois eventos complementam uma campanha crowdfunding, criada pela escola com o mesmo objetivo, que continua disponível para doações até 29 de março (acesse aqui). No dia 15/3, R$ 366.529 já haviam sido arrecadados, o equivalente a 53% do valor estipulado para a nova realização de Queermuseu.

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.