Registros da noite LGBT

Museu da Diversidade Sexual, na estação República do metrô de São Paulo, apresenta exposição com fotografias de Vania Toledo

Luana Fortes
Fotografia de Vania Toledo (Fotos: Divulgação)

A fotógrafa brasileira Vania Toledo, reconhecida sobretudo por retratos P&B, apresenta recorte de sua produção na exposição Tarja Preta. Com curadoria de Diógenes Moura, a mostra revela a efervescência cultural brasileira do fim do século 20, tocando em assuntos como gênero e sexualidade. Toledo fotografou pessoas singulares da noite LGBT, além de personalidades da cultura pop nacional, como o cantor Ney Matogrosso e o estilista Clodovil.

Coerentemente, a mostra é abrigada pelo Museu da Diversidade Sexual (MDS), que busca preservar, pesquisar, registrar e divulgar o patrimônio cultural da comunidade LGBT. O museu foi criado em 2012 pelo governo do estado de São Paulo e tem como sede uma sala no mezanino da estação República do metrô. “Existe um marco também nessa região”, conta à seLecT Luis Sobral, diretor da Organização Social que administra o MDS. “Foi na Praça da República que o adestrador de cães Edson Neris foi assassinado por skinheads no ano 2000, sendo este o primeiro crime atribuído à homofobia pela mídia”, continua. A fotógrafa fez alguns retratos especialmente para a exposição, entre eles da cartunista Laerte, da rapper Luana Hansen e de integrantes da banda As Bahias e a Cozinha Mineira. 

  • Fotografias de Vania Toledo exibidas em Tarja Preta
  • Fotografias de Vania Toledo exibidas em Tarja Preta
  • Fotografias de Vania Toledo exibidas em Tarja Preta

Serviço
Tarja Preta, Vania Toledo
Até 5/5/18
Museu da Diversidade Sexual
Estação República do metrô, Rua do Arouche, 24 – São Paulo
mds.org.br

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.