Top 15 do mundo

Mostras no MAC USP e no Itaú Cultural estão entre as 15 melhores de 2016, em lista do portal norte americano Hyperallergic

Da redação

Publicado em: 04/01/2017

Categoria: Da Hora, Notícias Quentes

Mudança Para um Bairro Distante (1967), gravura de Evandro Carlos Jardim em exposição no MAC-USP (Foto: MAC-USP)

Sob o olhar abrangente, inclusivo e descentralizador do Hyperallergic, conceituado portal americano dedicado à cultura contemporânea, duas exposições realizadas em instituições brasileiras mereceram destaque em 2016. Editores e críticos do veículo, elegeram Goeldi / Jardim – A Gravura e o Compasso, no MAC-USP; e Calder e a Arte Brasileira, curadoria de Luiz Camillo Osorio no Itaú Cultural, entre as 15 melhores do mundo no ano passado.

A primeira, ainda em cartaz no Museu de Arte Contemporânea da USP até 28/3, aparece em nono lugar, enquanto a exposição dedicada ao norte americano Alexander Calder, encerrada em outubro passado, ocupa a 12º posição, antes de Frank Stella em Varsóvia; Farideh Lashai, na Sharjah Art Foundation; e Jaannus Samma no Museu de Ocupações, na Estônia.

“A comparação agora parece óbvia: Calder e os neoconcretistas brasileiros. Mas ela nunca tinha me ocorrido antes da exposição no Itaú Cultural, em São Paulo”, escreveu Elisa Wouk Almino.

A mesma crítica aponta sobre a insuspeita aproximação entre os trabalhos do carioca Goeldi e do paulista Jardim: “Mesmo que esta exposição tenha apenas duas modestas salas, cada uma das gravuras revela um universo de riquezas”.

A seleção ainda completa mostras realizadas em cidades como Paris, Toronto, Marrakech, Torino, Barcelona, Moscou e Cidade do México. Confira a lista completa no site do portal. Que venha 2017!

Tags: , , , , , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.