Santander Cultural fecha acordo com Ministério Público para mostras sobre diversidade

Gaudêncio Fidélis, curador de Queermuseu, criticou o acordo

Da redação
Fachada do Santander Cultural em Porto Alegre (Foto: Reprodução)

Depois de ter cancelado a exposição Queermuseu antecipadamente, há quatro meses, o Santander Cultural fechou acordo com o Ministério Público Federal para a realização de novas exposições que abordem temas como “gênero e orientação sexual”, “étnicas e de raça”, “liberdade de expressão e outras formas de intolerância através dos tempos”.

Pelo Termo de Compromisso Consensual assinado entre as partes, o Santander Cultural se obriga a realizar ao menos duas exposições que incluam essa temática nos próximos 18 meses, sob pena de multa de até R$ 800 mil reais. O acordo foi elaborado pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão do Rio Grande do Sul, depois de o Santander Cultural ter se negado a cumprir a recomendação do MPF-RS de reabrir a exposição Queermuseu.

O curador de Queermuseu, Gaudêncio Fidélis, criticou o acordo, alegando que ele limita o trabalho da curadoria, além de levar ao risco de autocensura.

Leia mais na reportagem do jornal O Globo: https://oglobo.globo.com/cultura/artes-visuais/mpf-santander-cultural-fecham-acordo-para-novas-mostras-de-diversidade-22275243

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.