seLecTs

Dicas da semana (8/2) selecionadas pela redação

Da redação
Imagem da série Neyrótika, de Hélio Oiticica (Foto: Divulgação)

RIO DE JANEIRO
Hélio Oiticica, Neyrótika
Carlos Vergara, Cinco Carnavais
Até 11/3, EAV Parque Lage, Rua Jardim Botânico, 414 | eavparquelage.rj.gov.br
A Escola de Artes Visuais do Parque Lage apresenta exposições de dois grandes nomes da arte brasileira, ambas com curadoria de Ulisses Carrilho. Na Galeria 2, estão expostas fotografias de Carlos Vergara registradas na década de 70, sobre o carnaval carioca. Já a Galeria 1 exibe uma série de “quase-cinema” baseada em projeções de slides de Hélio Oiticica, realizada em Nova York, também nos anos 1970.

Controles, São Paulo (2014-2016), do Coletivo Lâmina (Foto: Divulgação)

BRASÍLIA
Camadas: Narrativas visuais da violência, Coletivo Lâmina
Geografia da Imagem, Diego Castro
Do Modo de Existência dos Objetos, Frederico Pessoa
Até 25/3, CAL UnB, SCS, Quadra 4, Edifício Anápolis | cal.unb.br
Dois artistas e um coletivo abrem o ciclo de 2018 de mostras da Casa da Cultura da América Latina (CAL) da Universidade de Brasília (UnB). Com curadoria de Ana Avelar, coordenadora dos espaços expositivos da CAL, as exposições comentam sobre a situação política brasileira. João Mascaro e Gabriela de Laurentiis, do Coletivo Lâmina, ocupam a galeria Acervo. O paulista Diego Castro apresenta individual na galeria CAL. E, por fim, o mineiro Frederico Pessoa exibe trabalhos na galeria de bolso da CAL.

Detalhe da instalação Partitura (2017), de Carlos Garaicoa (Foto: Oak Taylor-Smith)

SÃO PAULO
Carlos Garaicoa: Ser Urbano
Até 6/5, Espaço Cultural Porto Seguro, Alameda Barão de Piracicaba, 610 | espacoculturalportoseguro.com.br
Artista cubano Carlos Garaicoa propõe reflexões sobre arquitetura, urbanismo e geopolítica na exposição Ser Urbano. A mostra reúne 8 trabalhos, em diferentes linguagens, com curadoria de Rodolfo de Athayde.

Além de nadar na obra Piscina, de Jorge Macchi, o público pode brincar com letras flutuantes (Foto: Pedro Motta)

BRUMADINHO
Carnaval no Inhotim
De 9/2 a 14/2, Inhotim, Rua B, 20 | inhotim.org.br
O Instituto Inhotim preparou programação especial para a semana do carnaval. O espaço estará aberto ao público de sábado a terça-feira com ingressos a R$ 44 e na quarta-feira com entrada gratuita. Todos os dias, acontecem visitas mediadas sem custo e uma atividade de ativação da obra Piscina, de Jorge Macchi, que inclui um mergulho na piscina. Além disso, de sábado a terça-feira, o Inhotim apresenta a Estação Folia, que ensina a fazer apetrechos de carnaval. Para completar, em 10/2 (sábado), às 14h, o engenheiro agrônomo do instituto realiza um passeio de 2h30 pelos espaços botânicos do parque, com custo de R$ 40.

Acaso 10 (2015), de Arnaldo Pappalardo (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Cine
Arnaldo Pappalardo, até 3/3, Galeria Millan, Rua Fradique Coutinho, 1360 | galeriamillan.com.br
Partindo da etimologia da palavra cine – em grego, mexer, deslocar, movimentar – individual de Arnaldo Pappalardo trata sobre a ideia de movimento. O artista propõe novo recorte e escapa de linguagens que tradicionalmente discutem o assunto, como o cinema e o vídeo. A mostra reúne 30 obras, entre livros, impressões fotográficas e chapas de vidro e resina. Em 22/2 (quinta-feira), às 19h, acontece palestra com o filósofo Peter Pál Pelbart.

Tarde Rosa e Branca (2018), de Sandra Mazzini (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Hipervisão
Até 17/4, Galeria Marilia Razuk, Rua Jerônimo da Veiga, 131 | galeriamariliarazuk.com.br
Sérgio Romangnolo assina a curadoria da coletiva Hipervisão na Galeria Marilia Razuk. A exposição apresenta trabalhos de Felipe Morelatto, Lourdes Colombo, Luisa Almeida e Sandra Mazzini. De acordo com o texto curatorial, os quatro compartilham a vontade de enxergar mais longe do que as máquinas. “Não existe razão para os artistas não utilizarem toda a tecnologia à sua volta”, escreve Romangnolo.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.