seLecTs

Agenda da Semana (19/7/18)

Vitória Savini

Publicado em: 19/07/2018

Categoria: Agenda, Destaque, Selects

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Fotografia de Evandro Teixeira

FORTALEZA
Imagens Que Ardem
De 20/7 a 31/8, Escola Superior da Magistratura do Estado do Ceará, Rua Ramires Maranhão do Vale, 70 | esmec.tjce.jus.br
Imagens Que Ardem é a primeira exposição itinerante do Museu de Fotografia de Fortaleza, que busca incentivar novos artistas e valorizar a fotografia contemporânea. A mostra abarca registros do período da ditadura militar brasileira com 50 imagens icônicas fotografadas por Evandro Teixeira, Juca Martins e Orlando Brito da Coleção Paula e Silvio Frota. A curadoria do fotógrafo Silas de Oliveira aborda as ambiguidades de ver fotografias do período histórico que mostram uma vista cruel, mas nos obrigada a observá-la para repensar o presente.

Still do filme Yeelen – A Luz (1987) de Souleymane Cissé (Foto: Divulgação, Cortesia da Embaixada da França no Brasil)

SÃO PAULO
Souleymane Cissé
Até 25/7, IMS Paulista, Avenida Paulista, 2424 |ims.com.br
O Instituto Moreira Salles Paulista exibe seleção de filmes de Souleymane Cissé, cineasta maliano preocupado com estereótipos da cultura africana. Cissé procura descolonizar as telas e é autor do primeiro filme africano a receber Prêmio do Júri no festival de Cannes, com Yeelen – A Luz (1987). O longa dá início às exibições da mostra na quarta-feira, 18/7, às 19h30, seguido de debate com a pesquisadora Janaína Oliveira.

Transparência (1968), vinil autoadesivo sobre acrílico de Neide Sá (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Estrutura Poética, Ruptura e Resistência
Neide Sá, de 24/7 a 25/8, Galeria Superfície, Rua Oscar Freire, 240 | galeriasuperficie.com.br
A única mulher da origem do movimento de vanguarda Poema/Processo, Neide Sá, ganha individual na Galeria Superfície. Sá encabeçou o movimento em 1967 ao lado de artistas como Décio Pignatari, Haroldo de Campos, Ferreira Gullar e Wlademir Dias-Pino. Na exposição a artista exibe obras em que mescla linguagens como cinema, colagem, instalação e fotograma. Seus trabalhos são participativos, gráficos e com movimento. A exposição tem curadoria de Gabriel Novaes e Gustavo Nóbrega.

Fotogrametria Hemisférica (2018) de Ana Maria Tavares (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Rotações Infinitas
Ana Maria Tavares, até 18/8, Galeria Vermelho, Rua Minas Gerais, 350 | galeriavermelho.com.br
Na sua quinta individual na Galeria Vermelho, Ana Maria Tavares expõe criações que dialogam com os arquitetos Adolf Loos (1870-1933), Ludwig Mies van der Rohe (1886-1969) e Oscar Niemeyer (1907-2012). Ao contrário deles, Tavares trabalha com a presença do ornamento na estética arquitetônica modernista. A mostra inclui os vídeos feitos em 2015 Rotação Infinita: Invenzione para Piranesi e Utopias Desviantes II.

Abstração 6 (1978), de Durval Pereira (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
SESI Durval Pereira – Impressões Brasileiras / 100 Anos
Até 16/9, Memorial da América Latina, Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664 | saopaulo.sp.gov.br
Depois de passar por Recife e Ouro Preto, a individual de Durval Pereira (1918-1984) chega a São Paulo. A inspiração do pintor vinha de cenários coloridos típicos brasileiros como paisagens rurais, cidades coloniais mineiras e sulistas, naturezas-mortas, naufrágios e litorais. Pereira produzia com referências impressionistas em um período dominado por modernistas e abstracionistas. Em sua individual, estão expostas 220 obras com tours virtuais.

Registro de Trem Das Onze – Uma Viagem Pelo Mundo De Adoniran Barbosa no Farol Santander (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Trem Das Onze – Uma Viagem Pelo Mundo De Adoniran
De 24/7 a 30/12, Farol Santander, Rua Joao Brícola, 32 | farolsantander.com.br
A mostra trata da vida e obra de Adoniran Barbosa e inclui composições musicais, atuações teatrais e sua desconhecida faceta de artesão. Os objetos de seu acervo pessoal como fotos, certidão de nascimento, partituras e discos propõem uma vivência sobre Barbosa no espaço expositivo. Além de adentrar no universo pessoal e profissional do artista, a exposição mergulha na história do rádio paulista, do cinema nacional e da cidade de São Paulo

Vaso #1 (2016) lona perfurada de Sergio Pinzón (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
A Imensa Preguiça, exposição coletiva
Garranchón, individual de Mariano Barone
Até 18/8, Galeria Sancovsky, Praça Benedito Calixto | galeriasancovksy.com
Ready-made, ócio e gesto são elementos explorados na coletiva Imensa Preguiça de artistas como Beatriz Ruco, Eleni Bagaki, Gabriella Garcia e Sergio Pinzón. A partir da relação entre dissolução e repetição, objetos cotidianos são ressignificados em vídeos, pinturas, esculturas e instalações na exposição que tem curadoria de Guilherme Teixeira. Ao mesmo tempo, Mariano Barone abre na galeria sua primeira individual. Sua produção está em constante transformação. Barone reutiliza materiais de obras anteriores ou descartados por lojas e indústrias têxteis. Sua produção intercala composições e colagens com desenhos e pinturas, em um jogo de sobreposição e improviso.

Registro de Hilda Hilst (Foto: Instituto Hilda Hilst)

RIO DE JANEIRO
FLIP – 16ª Festa Literária Internacional de Paraty
De 25/7 a 29/7, Museu do Território de Paraty, R André Rebouças, 39 | flip.org.br
A poeta, ficcionista, cronista e dramaturga brasileira Hilda Hilst (1930-2004) é homenageada na 16° Edição da Flip. Trazendo movimentações dos dilemas do Brasil e do mundo contemporâneo, a feira literária deste ano condecora Hilst pelo seu legado na literatura que inclui investigações paralelas no campo da física e filosofia. A literata é autora de dez livros que demonstram sua dedicação obsessiva à escrita, à irreverência e à curiosidade. Na seLecT #38 Ana Lima Cecilio escreve sobre a intelectual. Leia aqui!

Lugares da Infância, trabalho de Marina Hachem (Foto: Divulgação)

RIO DE JANEIRO
Salão de Artes Visuais Novíssimos 2018
Até 24/8, Galeria de Arte Ibeu, Rua Maria Angélica, 168 | ibeugaleria.blogspot.com
O Salão de Arte do Rio de Janeiro Novíssimos apresenta sua 47° edição com instalações, pinturas, objetos, fotografias de doze artistas como Agrippina R. Manhattan (RJ), Danielle Cukierman (RJ), Daniela Paoliello (MG) e Marina Hachem (SP). Cesar Kiraly, curador, destaca a importância cultural de exposições compostas por obras contemporâneas fora do circuito tradicional da arte.

Registro da Exposição Precisão e Acaso de José Patrício (Foto: Francisco Baccaro)

BRASÍLIA
Precisão e Acaso
José Patrício, de 19/7 a 26/8, Museu Nacional Do Conjunto Da República / Setor Cultural Sul, Lote 2 | cultura.df.gov.br
A mostra do pernambucano José Patrício reúne obras de apropriação de elementos cotidianos fadados a desaparecer como botões, dados, alfinetes, fios de eletricidade e peças de quebra-cabeças. Os 40 trabalhos exibidos, com curadoria de Felipe Scovino, foram produzidos nos últimos sete anos e são fruto de pesquisas cromáticas, cinéticas e acerca de novos materiais. Patrício traz à tona o jogo entre qualidades antagônicas precisão e acaso.

Registro de Desdobramento Pictórico/Videre (2018) de Tony Camargo (Foto: Divulgação)

CURITIBA
Desdobramento Pictórico/Videre
Tony Camargo, até 21/8, MuMA – Museu Municipal de Arte, Avenida República Argentina, 3430 | fundacaoculturaldecuritiba.com.br
O artista Tony Camargo exibe em individual investigações sobre como a pintura pode ser atravessada e transmutada pela performance, videoarte, instalação, cinema e até por outras formas de pintura. Utilizando objetos cotidianos de depósitos, ferros-velhos, garagens e do próprio museu, Camargo apresenta trabalhos inéditos e instrumentos que utiliza em seu processo de criação. A mostra conta também com conversas abertas ao público com os artistas Daniel Acosta (20/7 às 19h) e Matheus Rocha Pitta (22/7 às 15h) e oficina de arte educação com Juliana Burigo (28/7 das 9h às 12h).

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.