seLecTs

Dicas da semana (22/6) selecionadas pela redação

Ana Abril e Luana Fortes
Desabamento do Céu/ O Fim do Mundo, da série Sonhos Yanomami (1976-2011), de Claudia Andujar (Foto: Arquivo da Artista)

SÃO PAULO
FORA DA LINHA
Modos de Ver o Brasil: Itaú Cultural 30 anos, até 13/8, Oca, Av. Pedro Álvares Cabral, Portão 3, Parque do Ibirapuera | itaucultural.org.br
Como exibir, em uma única exposição, mais de 750 obras e ocupar os mais de 10 mil metros quadrados da Oca? A resposta não é fácil, mas discutir a história da arte brasileira também não apresenta nada de simplório. Por esse motivo, os curadores Paulo Herkenhoff, Thais Rivitti e Leno Veras montaram Modos de Ver o Brasil: Itaú Cultural 30 Anos de um jeito não linear. “A mostra propõe sentidos múltiplos, convida o público a descobrir, busca surpreender a cada passo e enunciar a grandeza da cultura brasileira”, escrevem no texto curatorial. Com isso em vista, elaboraram, sobre a coleção de mais de 15 mil itens da instituição, 20 núcleos que ocupam os quatro andares do edifício projetado por Oscar Niemeyer. O formato hemisférico da Oca contribui para que leituras transversais possam ser realizadas pelo público, que se depara com obras de diferentes épocas, linguagens e movimentos artísticos. Em uma exposição tão diversa, há lugar para muitas conversas. Pode-se conferir trabalhos de Emiliano Di Cavalcanti, Victor Brecheret, Aleijadinho, Hélio Oiticica e Lygia Clark, ou, ainda, aproximar-se da produção contemporânea de Berna Reale, Jaime Lauriano e Claudia Andujar.

Os jogos e os enigmas (1954), de Maria Leontina (Foto: Ding Musa)

SÃO PAULO
REVISÃO DA HISTÓRIA
Maria Leontina, até 15/7, Bergamin & Gomide, Rua Oscar Freire, 379, Lj 1 | bergamingomide.com.br
Misturando geometria, figuração e abstração, Maria Leontina ganha exposição que celebra 40 anos da sua produção. “Leontina é muitas vezes lembrada na história como esposa de Milton Dacosta. Essa mostra busca fazer uma revisão dessa perspectiva”, afirmam os sócios Antonia Bergamin e Thiago Gomide.

Carmela Gross irá refazer o desenho em grafite sobre parede Águia (1995), que originalmente integrou instalação na antiga Cadeia Municipal de Santos. (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
ARTE E JUSTIÇA
OSSO – Exposição-apelo ao amplo direito de defesa de Rafael Braga, de 27/6 até 20/7, Instituto Tomie Ohtake, Rua Coropés, 88 | www.institutotomieohtake.org.br
Rafael Braga é o único cidadão que foi preso e condenado à cadeia nas manifestações de junho de 2013, por portar dois frascos plásticos. Na reivindicação do direito de defesa de Braga, 29 artistas brasileiros, entre eles Carmela Gross, Dalton Paula e Rosana Paulino, reúnem seus trabalhos em exposição com curadoria de Paulo Miyada. Uma sala adjunta ao espaço expositivo apresenta documentos ligados direta e indiretamente ao caso de Rafael Braga.

Young Velvets, Young Prices, Hat Fashions (Vogue, 1949) (Foto: Reprodução)

SÃO PAULO
REGISTROS DA CULTURA MODERNA
Norman Parkinson, O Verdadeiro Glamour Britânico, até 5/8, Galeria Mario Cohen, Rua Joaquim Antunes, 177 | galeriamariocohen.com.br
Trabalhos do reconhecido Norman Parkinson (1913-1990) estão exibidos na Galeria Mario Cohen até o começo de agosto. O fotógrafo inglês produziu durante cerca de 70 anos, somando imagens que registram importantes momentos históricos da cultura moderna.

Marquise/Entorno do Complexo Cultural Funarte Brasília (Foto: Livio Avelino)

BRASÍLIA
AO REDOR DA MARQUISE
Remanso, de 22/6 até 6/8, Marquise/Entorno do Complexo Cultural Funarte Brasília, Eixo Monumental, Setor de Divulgação Cultural | funarte.gov.br
Com curadoria de João Paulo Quintella, as instalações Feira-livre, de João Modé, e Alvorada Nordestina, de Alê Gabeira e Raísa Curty, ocupam os arredores do Espaço Marquise da Funarte Brasília. Os trabalhos, selecionados pelo prêmio da fundação, são site-specific e propõem relações particulares com a arquitetura e ambiente do espaço em que estão inseridas.

Carrancas de Proa, no Rio São Francisco, BA (1946) (Foto: Reprodução)

BRASÍLIA
PATRIMÔNIO BRASILEIRO
Marcel Gautherot, Brasil: Tradição, Invenção, até 20/8, Paço Imperial, Praça XV de Novembro, 48 | amigosdopacoimperial.org.br
O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e o Instituto Moreira Salles juntaram-se para celebrar o legado de Marcel Gautherot, fotógrafo que muito colaborou para o entendimento do que é patrimônio no e do Brasil. A exposição comemora 80 anos do Iphan e reflete sobre a importância e riqueza da cultura nacional, tanto registrada pelas lentes de Gautherot.

JTA: M.A.R. (2011), de Jaime Acioli (Foto: Divulgação)

RIO DAS OSTRAS
FOMENTAR A PRODUÇÃO LOCAL
Ruínas – A Fissura no Escombro, até 24/8, Ateliê Casa Residência, Rua Elba de Pádua Lima, 404 | facebook.com/ateliecasaresidenciaartistica
Com curadoria de Áureo Guilherme Mendoça, exposição reúne 18 artistas da cena carioca cujos trabalhos abordam o tema da ruína sob diferentes perspectivas. A artista Amanda Nakao aborda a questão da mulher, enquanto Jaime Acioli apresenta um trabalho sobre a construção do Museu de Arte do Rio (MAR). A mostra integra O Artista Convida, projeto que favorece o diálogo com um ou dois artistas do município carioca de Rio das Ostras.

Bumba Meu Boi, festividade típica de Maranhão (Foto: Marcio Vasconcelos)

RIO DE JANEIRO
ARTE POPULAR
Festa Brasileira: Fantasia Feita à Mão, até 28/10, CRAB – Centro SEBRAE de Referência do Artesanato Brasileiro, Praça Tiradentes, 69 | crab.sebrae.com.br
As grandes festas brasileiras, como a Congada (MG), os Reisados (AL) e o Bumba Meu Boi (MA), são motivo de mostra que reúne diversos objetos, esculturas, vestimentas, máscaras e instrumentos musicais típicos. A exposição tem curadoria de Raul Lody e Leonel Kaz, e concepção visual de Jair de Souza. As peças foram produzidas por artesãos de diferentes pontos do País, mostrando a diversidade e celebrando a arte popular brasileira.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.