Agenda cultural da semana (23/5/2019)

História da Poesia Visual Brasileira, Rodrigo Naves, Samico, Niobe Xandó, Ai Weiwei, Claudia Jaguaribe, Arthur Lescher, Daniel Lie, Nuno Ramos

Da redação
Poesia Viva (1977) de Paulo Bruscky e Unhandeijara Lisboa (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
História da Poesia Visual Brasileira
Exposição histórica, 30/5 a 8/9, Sesc Bom Retiro, Alameda Nothmann, 185 | sescsp.org.br
A exposição reúne mais de 200 obras do acervo Paulo Bruscky, que tem artistas como Vicente do Rego Monteiro, Wlademir Dias-Pino, Neide Sá, Pedro Xisto e Grupo Fluxus. O objetivo é narrar a história da poesia visual brasileira, encontrando a gênese de obras que borram os limites entre a escrita, a imagem e a fala já no século 18. Exemplos de experimentações com linguagem e suportes ao longo dos séculos 20 e 21 fazem parte do conjunto, que propõe uma educação do olhar. A curadoria é de Paulo Bruscky, Yuri Bruscky e Adolfo Montejo Navas, que apontam as relações entre linguagem e sociedade como fundamentais nos trabalhos escolhidos para a mostra.

Imagem de divulgação do 20º Prêmio Arte na Escola Cidadã (Foto: Divulgação)

EDITAL
20º Prêmio Arte na Escola Cidadã
Inscrições abertas até 2/6 | artenaescola.org.br/premio
Professores de artes visuais, teatro, dança ou música que tenham desenvolvido projeto entre 2017 e 2019 em escolas públicas ou privadas de ensino regular podem se inscrever no prêmio que garante R$10 mil para os ganhadores. São cinco categorias de premiação – Educação Infantil, Ensino Fundamental 1, Ensino Fundamental 2, Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos – e, além de receberem equipamentos para suas escolas, os projetos premiados são registrados em um documentário que se desdobrará em novos materiais educativos e de formação.

Dois Artistas da Sombra (2019), capa do livro de Rodrigo Naves (Foto: Reprodução)

SÃO PAULO
Dois Artistas Das Sombras
Lançamento de livro, 25/5, 19 hrs, Galeria Raquel Arnaud, Rua Fidalga 125 | raquelarnaud.com.br
Em seu novo livro, o crítico e historiador Rodrigo Naves faz uma análise comparativa sobre a opacidade e o escuro da matéria nas obras de Oswaldo Goeldi e de El Greco. A pesquisa inclui comentários detidos em análises de obras, assim como incursões por aspectos biográficos que informam as produções de ambos os artistas, em uma aproximação inusitada que propõe novas metodologias para o estudo da história da arte.

Grupo de astrônomos brasileiros e estrangeiros e Marc Ferrez durante a expedição para a observação do eclipse solar (1912) A. Soucassaux (Foto: Coleção Gilberto Ferrez/ Acervo Instituto Moreira Salles)

SÃO PAULO
Ciência Em Diálogo: Especial Marc Ferrez E O Eclipse De Sobral
Debate, 25/5 das 11h às 12h30, IMS, Avenida Paulista, 2424 | ims.com.br
O Instituto Moreira Salles apresenta um debate sobre as relações entre a fotografia e a ciência nos últimos 180 anos. Entre os participantes da mesa estão Christina Helena Barboza, Rodrigo Nemmen, Rogério Rosenfeld, o físico Nathan Berkovits e Sergio Burgi, coordenador de fotografia do IMS. A entrada é gratuita e haverá distribuição de senhas 60 minutos antes do evento. Cada pessoa pode retirar uma única senha.

Flyer do projeto Conversas no Breu: Flora Rebollo e Marcia de Moraes (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Flora Rebollo e Marcia de Moraes
Conversas no Breu, 30/5, Breu, Rua Barra Funda 444 | espacobreu.com
Na próxima edição do projeto Conversas no Breu, em que artistas e curadores discutem suas pesquisas em apresentações em dupla dentro do espaço gerido por artistas, Flora Rebollo e Marcia de Moraes levantam questões a partir de suas práticas com o desenho, suas relações com outras linguagens e  referências da arte contemporânea.

Retrato de José House Xtravaganza (Foto: Johnny Rozsa)

SÃO PAULO
Vogue
Masterclass com José Gutierrez Xtravaganza, 24/5, das 14h às 18h, IED, Rua Maranhão, 617 | ied.edu.br
O Instituto Europeo di Design apresenta uma aula com o bailarino José Gutierrez Xtravaganza, um dos maiores nomes do voguing internacional. Além de sua experiência com o movimento na cena nova iorquina, Gutierrez foi o coreógrafo e participou do clipe Vogue de Madonna.

João, Maria e o Pavão (1960), gravura de Samico (Foto: Reprodução)

SÃO PAULO
Samico
Individual, de 28/5 a 13/7, Galeria Estação, Rua Ferreira Araújo, 625 | galeriaestacao.com.br
A mostra, com curadoria de Ivo Mesquita, inclui trabalhos produzidos desde os anos 1940. A obra de Samico aborda temas mitológicos por meio de uma linguagem sofisticada de xilogravura, na qual o preto e branco é aliado a áreas de cores saturadas bem demarcadas por texturas e padrões estruturais para a composição. Essa exposição reúne um conjunto de obras de pequena escala, baixa tiragem, ou até mesmo provas de artista, ressaltando o ofício cotidiano e metódico do modo de produção do artista.

Máscaras XIII (década de 80), pintura de Niobe Xandó (Foto: Ana Pigosso)

SÃO PAULO
Niobe Xandó, individual
Hiato, exposição coletiva
De 25/5 a 17/7, Simões de Assis e Sim Galeria,
Rua Sarandi, 113 A | simoesdeassis.com.br
Com cerca de 40 trabalhos, entre pinturas a óleo, desenhos e relevos, a mostra apresenta o universo de Niobe Xandó, uma artista do interior de São Paulo que associa o vocabulário da pintura moderna a símbolos de religiões afro-brasileiras, totens e máscaras. Paralelamente, a Sim Galeria, que ocupa o mesmo prédio, apresenta a coletiva Hiato, com trabalhos de Hélio Oiticica, Juan Parada, Lais Myrrha, Ricardo Alcaide e Sam Moyer, reunidos em torno das ideias de descontinuidade e desconstrução.

Encontro com Liuba (2019) foto de Claudia Jaguaribe (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Encontro com Liuba
Lançamento do livro de Claudia Jaguaribe, 23/5,  19 hrs, Galeria Marcelo Guarnieri, Alameda Lorena, 1835 | galeriamarceloguarnieri.com.br
O projeto é parte de uma trilogia em que a fotógrafa Claudia Jaguaribe retrata mulheres marcantes do século 20 no Brasil, como Clarice Lispector e Lina Bo Bardi. Na ocasião, Jaguaribe lança publicação que revela sua relação com a obra da artista búlgara Liuba com registros de ateliê e vistas singulares das esculturas que conjugam um vocabulário modernista a aspectos biomórficos e sensuais. O livro tem edição limitada de 300 exemplares, que podem ser adquiridos na Galeria Marcelo Guarnieri ou diretamente com a artista.

Escultura de João Trevisan (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Corpo-Trajeto
Individual de João Trevisan, de 25/5 a 6/7, Adelina Instituto, Rua Cardoso de Almeida, 1285 | adelina.org.br
O Adelina Instituto passa por uma nova formulação: de agora em diante, a galeria passar a atuar como uma loja de design, enquanto o programa de exposições de arte se voltará para pesquisa, formação e residências. Inaugurando essa nova fase, o artista brasiliense João Trevisan apresenta a exposição Corpo-Trajeto, com curadoria de Mario Gioia, dentro do projeto Perímetros, destinado a promover a primeira individual de artistas na capital paulistana. Trevisan lida com madeira, ferro e tinta em diferentes linguagens, como escultura, desenho e pintura.

Vista do Museu de Arte Brasileira (2003) FAAP (Foto: Aline Canassa)

SÃO PAULO
Palavras Somam
Individual de Lívia Aquino, até 5/8, MAB Faap, Rua Alagoas, 903 | faap.br/museu
A exposição Palavras Somam, com curadoria de Laura Suzana Rodríguez, busca discutir o lugar da palavra nas artes plásticas e na cultura em geral. O Núcleo Temporário é uma parte rotativa da mostra em que artistas ocupam a exposição com projetos especialmente desenvolvidos para o contexto. Lívia Aquino apresenta as obras Sussurro (2019) e Gritemos (2019), que trazem textos em diferentes mídias. Anteriormente, Walmor Corrêa ocupou o espaço. Depois de Aquino, as próximas convidadas serão Beth Moysés e Rosana Paulino.

Foda (2018), cerâmica de Ai Weiwei (Foto: Carol Quintanilha)

CURITIBA
Ai Weiwei
Individual, até 29/6, Simões de Assis e SIM Galeria, Al. Presidente Taunay, 130A | simoesdeassis.com.br
Com curadoria de Marcello Dantas, a mostra reúne parte das obras que o artista chinês Ai Weiwei produziu no Brasil para sua exposição no MON de Curitiba, como peças em couro, figas de madeira e cerâmicas. Weiwei parte de técnicas artesanais tradicionais para produzir ruídos ao misturar ideias tradicionais com códigos de um mundo globalizado e financeirizado, provocando um trânsito constante entre o verdadeiro e falso, ocidente e oriente.

Dimensão Livre (2019), projeto de Amanda Barbosa Da Silveira (Foto: Divulgação)

BELO HORIZONTE
Outros Territórios
Exposição coletiva, até 2/6, Viaduto das Artes, Av. Olinto Meireles, 45 | viadutodasartes.com
A mostra reúne 26 propostas que relacionam arte e arquitetura de autores como Juliana Sicuro Corrêa, João Nitsche, entre outros selecionados via chamada aberta. O Viaduto das Artes é uma galeria localizada em uma região de vigas e pilares aparentes e o objetivo do projeto é levantar discussões sobre os vazios urbanos e possibilidades de ocupação do espaço público. A exposição é realizada através de uma parceria entre o escritório de arquitetura Vazio S/A, o Coletivo Aurora e o curador Eduardo de Jesus.

Arrastado 4 (sem data), gravura de Maria do Carmo Carvalho (Foto: Reprodução)

RIO GRANDE DO SUL
Brancos Plenos, Pretos Abismais
Individual De Maria Do Carmos Carvalho, de 28/5 a 7/7, MARGS, Praça da Alfândega | margs.rs.gov.br
A mostra reúne mais de 60 obras entre pinturas e gravuras sobre materiais precários, como papel kraft ou filtros de café, alinhavados em uma curadoria de Caroline Carrion. O conjunto enfatiza as relações espaciais dos trabalhos bidimensionais, em uma articulação de referências diversas da arte produzida ao longo do século XX, do expressionismo abstrato norte-americano às discussões feministas da produção dos anos 60 e 70, que se valiam de objetos cotidianos como suporte para o trabalho. O contraste cromático entre as séries branca e a preta, também reflete um contraste de atitudes, de obras mais intimistas para outras de caráter agressivo.

Obra de Pedro Tudela (Foto: Divulgação)

PORTO
>e(c(o<, individual de Pedro Tudela
Rio Léthê #6, individual de Arthur Lescher
De 25/5 a 13/7, Kubik Gallery, Rua da Restauração, nº6 | kubikgallery.com

A Kubik Gallery apresenta uma individual do português Pedro Tudela e outra do brasileiro Arthur Lescher. Tudela investiga associações polissêmicas a partir do radical eco e exibe esculturas, instalações e peças sonoras que se referem a ecologia, ecografia, economia, ecossistema e próprio ao eco sonoro. Lescher, por sua vez, leva adiante sua pesquisa com o uso de materiais e técnicas industriais, que, em contraste, evocam a fluidez dos líquidos pela elegância da montagem das peças no espaço e pela superfície reflexiva de metais.

Instalação de Daniel Lie (2019) (Foto: Divulgação)

EDIMBURGO
The Negative Years
Individual de Daniel Lie, até 14/7, Jupiter Artland Foundation, Bonnington House Steadings | jupiterartland.org
O artista Daniel Lie produz instalações em que plantas, pessoas e microorganismos coexistem em um tempo ritual, entrópico e dilatado. Sua proposta para a Jupiter Artland, um espaço sem fins lucrativos que produz exposições de caráter educativo, inclui cinco instalações de grande escala que ocupam o interior e o exterior dos espaços expositivos. A obra é o resultado de dois anos de pesquisa e interação entre o artista, micologistas, arqueólogos e estudantes que estudam as relações entre o pós-humanismo e sistemas ecologicamente conduzidos.

O Que Eu Vejo e o Beco (2017), pintura de Nuno Ramos (Foto: Divulgação)

ZURIQUE
Sol a Pino
Individual de Nuno Ramos, de 24/5 a 6/7, Löwenbräu-Kunst, Limmatstrasse, 270 | lowenbraukunst.ch
A galeria Kogan Amaro convidou o artista paulistano Nuno Ramos para inaugurar sua filial em Zurique, dentro do centro cultural Löwenbräu-Kunst, um complexo que abrange diversos museus e galerias em uma antiga fábrica de cerveja. Na exposição, Ramos apresenta suas conhecidas pinturas em grande escala, em que o acúmulo de materiais como vaselina, tecidos e pigmentos extrapolam os limites do plano. Seus trabalhos, desta vez, são repletos de cores ácidas e brilhantes, como um convite a um pensamento solar em meio a crise social e política do momento atual.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.