seLecTs – agenda da semana (17/12/18)

Chantal Akerman, Claudia Andujar, Rosana Paulino, Ricardo Basbaum, Augôsto Augusta, Elas Por Elas, Quimera, Modernos +

Da Redação
Vista da instalação de In The Mirror (2007), de Chantal Akerman (Foto: Divulgação)

RIO DE JANEIRO
Chantal Akerman – Tempo Expandido
Exposição coletiva, até 27/1/2019, Oi Futuro, Rua 2 de Dezembro, 63 | oifuturo.org.br
Cineasta ou videoartista? Nascida em Bruxelas, na Bélgica, Chantal Akerman (1950-2015) transita entre imagens em movimento, produzindo longas-metragens e videoinstalações. Um de seus primeiros filmes, L’Enfant Aimé ou Je Joue à Être Une Femme Mariée, de 1971, foi mais tarde declarado por ela como um fracasso. Em 2007, no entanto, a artista pegou a primeira cena do filme para criar o vídeo In The Mirror, que mostra uma mulher nua que examina seu corpo diante de um espelho. O trabalho é um dos quatro exibidos na individual Tempo Expandido, com curadoria de Evangelina Seiler. Trata-se da primeira exposição da artista no Brasil. Com quadros parados e longas tomadas, as obras de Akerman têm um ritmo particular e debruçam-se sobre temas do cotidiano feminino. Além de In The Mirror, a individual exibe La Chambre (2012), considerado um autorretrato, Maniac Summer (2009), composto de imagens e sons gravados em Paris, e Tombée de Nuit sur Shanghai (2009), feito para um episódio do filme O Estado do Mundo, que reuniu seis diretores de diferentes países.

Espantalho (1940), de Candido Portinari (Foto: Divulgação)

RIO DE JANEIRO
Oito décadas de abstração informal, exposição coletiva
Modernos +, exposição coletiva
Até  9/6/2019, Instituto Casa Roberto Marinho, Rua Cosme Velho, 1105 | casarobertomarinho.org.br
O Instituto abre duas exposição coletivas simultâneas. Oito Décadas De Abstração Informal foi realizada a partir de uma parceria com o MAM SP e reúne 80 obras feitas entre 1940 e 2012, com curadoria de Lauro Cavalcanti e Felipe Chaimovich. Já Modernos + foca no modernismo brasileiro e exibe 44 trabalhos de 15 artistas. Entre eles estão Anita Malfatti, Candido Portinari, Djanira da Motta e Silva, José Pancetti e Tarsila do Amaral.

Trabalho de Bruno Dunley (Foto: Divulgação)

RIO DE JANEIRO
Quimera
Exposição coletiva, até 24/2/2019, Museu da República, Rua do Catete, 153 | museudarepublica.museus.gov.br
A exposição curada por Isabel Sanson Portella e Ricardo Kugelmas apresenta obras de Ana Prata, Bruno Dunley, Véio e Liuba Wolf, artistas de diferentes gerações, na Galeria do Lago do Museu da República. “O diálogo que se estabelece entre os quatro artistas resulta numa mostra de identidades e poéticas que se aproximam enquanto falam de desejos e expectativas”, afirma Portella.

Sem Título (Avdat), 2013, de Regina de Paula (Foto: Reprodução)

RIO DE JANEIRO
Elas Por Elas
Exposição coletiva, até 31/1/2019, Galeria Mercedes Viegas, Rua João Borges, 86 | mercedesviegas.com.br
Focada em mulheres que fizeram parte da história da galeria, a mostra exibe trabalhos de 42 artistas que passaram pela Mercedes Viegas desde os anos 1990. A exposição, que tem texto da crítica Isabel Sanson Portella, sustenta que gênero não define atributos artísticos e estéticos de uma obra. Anna Maria Maiolino, Brígida Baltar, Lygia Pape e Wanda Pimentel estão na lista das artistas participantes.

Fotografia Opiktheri, Perimetral Norte (1981), de Claudia Andujar

SÃO PAULO
Claudia Andujar – A Luta Yanomami
Exposição individual, até 7/4/2019, IMS Paulista, Av. Paulista, 2.424 | ims.com.br
Após cinco anos de pesquisa do curador Thyago Nogueira sobre o arquivo de Claudia Andujar, o Instituto Moreira Salles apresenta individual da artista focada em seu contato com os índios Yanomami. Em 1971, Andujar viajava para Roraima e Amazonas como fotojornalista da revista Realidade, para uma edição especial da publicação sobre a Amazônia. Foi assim que a artista suíça, naturalizada brasileira, chegou aos Yanomami e deu início ao projeto fotográfico pelo qual ficaria conhecida. Decidiu que viveria por esses cantos em tempo integral, chegando até a ganhar amparo de bolsas da Fundação Guggenheim e da Fapesp. Andujar apenas saiu do território indígena quando foi enquadrada na Lei de Segurança Nacional pelo governo militar, em 1978. De acordo com relatório da Comissão Nacional da Verdade, 8.350 indígenas foram mortos entre 1964 e 1985. Após sua expulsão, ela passou a se dedicar à campanha de demarcação das terras dessa etnia, o que ocorreu em 1992.

O importuno (1898), de Almeida Junior (Foto: Isabella Matheus)

SÃO PAULO
Trabalho de artista: imagem e autoimagem (1826-1929)
Exposição coletiva, até 25/2/2019, Pinacoteca de São Paulo, Praça da Luz, 2 | pinacoteca.org.br
Curada por Fernanda Pitta, Ana Cavalcanti e Laura Abreu, a exposição reúne 120 trabalhos de 33 artistas que tratam sobre a representação da imagem pública do artista e de seu ofício. Entre os autores presentes estão Abigail de Andrade, Almeida Junior e Benedito Calixto.

A Geometria à brasileira chega ao paraíso tropical (2018), de Rosana Paulino (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Rosana Paulino: a Costura da Memória
Exposição individual, até 4/3/2019, Pina Estação, Largo General Osório, 66 | pinacoteca.org.br
A artista paulistana Rosana Paulino apresenta sua primeira retrospectiva, que percorre 25 anos de carreira. Com curadoria de Valéria Piccoli e Pedro Neri, a mostra exibe mais de 140 obras e encerra o ano dedicado às mulheres na Pinacoteca. A obra de Paulino aborda questões sociais, étnicas e de gênero a partir de técnicas diversas.

Sistema-cinema: êxtase & exercício (2018), de Ricardo Basbaum (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
1:1 | Ricardo Basbaum
Exposição individual, até 1º/3/2019, Galeria Jaqueline Martins, Rua Dr. Cesário Mota Junior, 433 | galeriajaquelinemartins.com.br
Ricardo Basbaum participa do projeto 1:1 da Galeria Jaqueline Martins, que busca relacionar o espaço expositivo com outro local do bairro Vila Buarque. Nesta edição, que tem curadoria de Bruno de Almeida, o artista apresenta um trabalho inédito na galeria que se relaciona com residências. O trabalho é constituído de um sistema de câmeras que filma em cada lugar  um objeto criado pelo artista. As imagens são transmitidas em tempo real para outro espaço.

Convite para o lançamento do livro Amor, Amores, de Carlos Drummond de Andrade com ilustrações de Carlos Leão (Editora Alumbramento/1975)

SÃO PAULO
Augôsto Augusta 50 anos
Lançamento e exposição coletiva, de 18/12/2018 a 28/2/2019, Augôsto Augusta, Rua Augusta, 2161 | augosto.com.br
Fundado por Regina Bertizlian, o Augôsto Augusta é um misto de galeria com livraria, loja e escola. Na quinta-feira 18/12, o espaço celebra 50 anos. O evento marca o lançamento de um livro com histórias sobre o espaço e a abertura de uma exposição comemorativa com obras do acervo da galeria.

Aquarela de Ucho Carvalho (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Ucho Carvalho: 30 Aquarelas
Exposição individual, até 28/2/2019, Galeria São Paulo, Rua Estados Unidos, 2186 | facebook.com/spflutuante
Após permanecer dezesseis anos com suas portas fechadas, a Galeria de São Paulo retorna como espaço “flutuante”, ou seja, efêmero. Para a reabertura, a galerista Regina Boni apresenta individual de Ucho Carvalho com 30 obras em aquarela. “Sinto-me hoje desafiada pelos rumos (desvios?) desse mesmo mercado, em suas vertigens de valores abusivos e curadores estelares, distanciados dos caminhos mais soberanos da criação” afirma.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.