seLecTs – agenda da semana (30/1/2020)

Hilda Hilst, Condo, Milhas pela Vida das Mulheres, Ximena Garrido-Lecca, Alexandre da Cunha, Tiago Tebet, The Discovery Of What It Means To Be Brazilian, Zonamaco

Da redação
Retrato de Hilda Hilst em 1997 por Éder Chiodetto

SÃO PAULO
Revelando Hilda Hilst
Retrospectiva, de 1/2 a 15/3, MIS, Av. Europa, 158 | mis-sp.org.br
No ano em que Hilda Hilst completaria 90 anos, o Museu da Imagem e do Som apresenta fotos, vídeos, livros e material de arquivo em uma curadoria do artista e jornalista Jurandy Valença, que morou com a poetisa e dramaturga durante quatro anos na década de 1990. Uma instalação de Gabriela Greeb e Mario Ramiro reproduz a voz da autora em suas conhecidas conversas com o além, e serão apresentados livros originais com capas produzidas por artistas como Tomie Ohtake e Maria Bonomi. A mostra também marca uma comemoração dos 50 anos da instituição.  

Poça (2020) de Carolina Caycedo (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Condo
Projeto colaborativo, a partir de 1/2, diversas galerias | condocomplex.org
O Condo é um projeto colaborativo internacional em que galerias dos principais pólos culturais da arte contemporânea apresentam obras de artistas que representam em espaços de outros países, gerando intercâmbio cultural e parcerias entre os agentes do meio da arte. Fundado em 2016, o projeto existe em São Paulo desde 2019. Em 2020, a Casa Triângulo recebe uma individual de Carolina Caycedo do Instituto de Visión, a Sé Galeria recebe a Nuno Centeno, a Central recebe a Galeria Madragoa, entre outras parcerias. Confira a programação completa aqui

RIO DE JANEIRO
Milhas pela Vida das Mulheres
Conversa com Aleta Valente e Juliana Reis, 31/1, às 18h, A Gentil Carioca, Rua Gonçalves Ledo, 17 | agentilcarioca.com.br
Na sexta-feira, 31, às 18h, a artista Aleta Valente e a cineasta Juliana Reis participam de uma conversa aberta ao público sobre violência à mulher e a enclausura ao silêncio das práticas abortivas. Na ocasião apresenta-se pela primeira vez no Rio de Janeiro o projeto Milhas pela Vida das Mulheres, lançado em 2019 com o objetivo de arrecadar milhas e recursos para possibilitar viagens a mulheres que procuram fazer abortos de maneira legal e segura. Em quatro meses de ação, o projeto recebeu 52 solicitações e enviou 8 mulheres à Colômbia, onde o aborto é legal em três situações.

Piss and Tits (1987) de Alexandre da Cunha (Foto: Eduardo Fraipont)

SÃO PAULO
Portal
Individual de Alexandre da Cunha, de 5/2/ a 14/3, Galeria Luisa Strina, Rua Padre João Manuel, 755 | galerialuisastrina.com.br
Alexandre da Cunha ocupa as duas salas expositivas da galeria com esculturas inspiradas no formato de biombos, utilizando materiais como paraquedas, esfregões e bandejas. Pela primeira vez, o artista apresenta também desenhos, produzidos desde 1987. Da Cunha parte de peças da indústria ou objetos encontrados, prontos e modificados minimamente, para discutir a história da escultura e as diversas tradições de obras feitas em ferro na arte moderna e contemporânea. 

Sem Título (2016) de Iole de Freitas (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Destaques do Acervo
Exposição coletiva, de 1/2 a 21/3, Galeria Raquel Arnaud, Rua Fidalga, 125 | raquelarnaud.com.br
Com participação de Amilcar de Castro, Anna Maria Maiolino, Antonio Manue, Carlos Zilio, Ester Grinspum, Iole de Freitas, Lygia Clark, Mira Schendel, entre outros, a exposição reúne obras de linguagem construtiva e cinética, estabelecendo um diálogo entre artistas de diversas gerações pertencentes ao acervo da galeria. 

 

Ralíneamiento III (2018) de Ximena Garrido-Lecca (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Conversa com Ximena Garrido Lecca, 30/1 às 19:30
Conversa com os curadores da Bienal, 4/2 às 19:30, Oficina Cultural Oswald de Andrade, Rua Três Rios, 363 | oficinasculturais.org.br
Dando continuidade aos debates promovidos pela 34ª Bienal de São Paulo, Faz Escuro Mas Eu Canto, a artista peruana Ximena Garrido-Lecca apresenta suas pesquisas sobre extrativismo e colonização em conversa na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 30, às 19h30. Na terça-feira seguinte, acontece ainda outra conversa, desta vez com a equipe curatorial da 34ª, composta por Jacopo Crivelli Visconti (curador geral), Paulo Miyada (curador adjunto), Carla Zaccagnini, Francesco Stocchi e Ruth Estévez (curadores convidados), que discorrerão sobre a proposta para o público. Entrada gratuita. 50 lugares por ordem de chegada. Sujeito a lotação. 

Sem título (2019) de Tiago Tebet (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
From Here To Eternity… But Not
Individual de Tiago Tebet, de 1/2 a 7/3, Luciana Brito Galeria, Avenida 9 de Julho, 5162 | lucianabritogaleria.com.br
Tiago Tebet apresenta uma série de pinturas nas quais explora texturas inspiradas naquelas aplicadas nas paredes. O resultado é uma pintura na qual as passagens de cores saturadas, do verde ao laranja, são marcadas por composições disformes e orgânicas que sugerem movimento e vibrações óticas. 

SÃO PAULO
Documento-Monumento | Monumento-Documento
Conversa entre Rosângela Rennó e Maria Angélica Melendi, 1/2 às 16hrs, Galeria Vermelho, Rua Minas Gerais, 350 | galeriavermelho.com.br
Em conversa com a professora e pesquisadora Maria Angélica Melendi, a artista Rosângela Rennó apresenta suas pesquisas sobre a produção de imagens e memórias na sociedade contemporânea, no encerramento de sua individual Documento-Monumento | Monumento-Documento na Galeria Vermelho.

O stand da Sean Kelly Gallery na feira Zonamaco (Foto: Divulgação)

CIDADE DO MÉXICO
Zonamaco
Feira de arte, de 5 a 9/2, Av. del Conscripto | zsonamaco.com
A feira é dividida em quatro núcleos: Zonamaco México Arte Contemporáneo, com artistas jovens e em meio de carreira, Zonamaco Diseño, com curadoria de Cecilia León de la Barra e focada em design e múltiplos, Zonamaco Foto e Zonamaco Salón, dedicada a antiguidades, arte popular, decorativa e mobiliário. Entre as galerias participantes estão Pace Gallery, Sean Kelly, Kurimazutto, entre outras. 

Foto da Série Poéticas Mínimas de José Roberto Bassul

BRASÍLIA
Sobre Quase Nada
Individual de José Roberto Bassul, de 7/3 a 11/4, Referência Galeria de Arte, CLN 202 Bloco B Loja 11 | referenciagaleria.com.br
Com curadoria de Marília Panitz, o fotógrafo José Roberto Bassul apresenta duas séries nas quais retrata a arquitetura pós-moderna, com seus espelhos e formas arrojadas, reduzinda-a a elementos básicos, como uma curva ou um grid. Ao artista interessa a história social da arquitetura e seus sentidos ideológicos, de manutenção de poder ou servidão a fins econômicos, operando numa chave ao mesmo tempo crítica e propositiva. 

Sem Título (1967) de Sérgio Sister (Foto: Erika Mayumi)

NOVA YORK
Then And Now
Individual de Sérgio Sister, até 8/2, Galeria Nara Roesler, East 69th Street 22 3r | nararoesler.art
Entre os anos 1960 e 70, o pintor Sérgio Sister, conhecido por suas pinturas de campos de cor sobre ripas de madeira e caixas de feira, foi um preso político e produziu uma série de desenhos nos quais retratava seu dia a dia na prisão, em uma linguagem pop de caráter psicodélico e irônico. Esta mostra, com curadoria de Luis Pérez Oramas, põe lado a lado essa parte de sua produção e suas obras abstratas e formalistas. 

Untitled – Pixel series (2019) de Éder Oliveira (Foto: Courtesia do artista/ Mariane Ibrahim Gallery)

CHICAGO
The Discovery Of What It Means To Be Brazilian
Exposição coletiva, de 1/2 a 21/3, Mariane Ibrahim Gallery, 437 N. Paulina St | marianeibrahim.com
O curador Hélio Menezes parte do ensaio The discovery of what it means to be an American [A descoberta do que significa ser um americano] (1959) do escritor norte-americano James Baldwin, para discutir as armadilhas identitárias relativas a raça, gênero e classe no contexto brasileiro atualmente. Jaime Lauriano, No Martins, Aline Motta, Éder Oliveira e Tiago Sant’Ana são os artistas participantes da mostra, que busca rever a história e fazer uma análise crítica da situação presente do país, visando desenhar outras estratégias e formas de convivência para o futuro. 

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.