seLecTs – agenda da semana (5/12/2019)

Alvaro Seixas, Murakami, Antonio Bandeira, Casa Roberto Marinho, Jorge Pardo, Claudio Alvarez, Marc Ferrez, Cal UnB

Da redação

Publicado em: 05/12/2019

Categoria: Agenda, Destaque, Selects

Pintura Sem Título (Paisagem Romântica)(2019) de Álvaro Seixas (Foto: Cortesia Galeria Cavalo)

RIO DE JANEIRO
A Importância Do Demônio
Individual de Alvaro Seixas, até 18/1/2020, Galeria Cavalo, Rua Sorocaba, 51 | galeriacavalo.com
A segunda individual de Alvaro Seixas na Galeria Cavalo tem título apropriado de um ensaio do escritor espanhol José Bergamin. O artista apresenta um conjunto de pinturas que utilizam referências e procedimentos heterogêneos, de William Blake a Debret, da pintura a óleo a impressões fotográficas, com o intuito de fazer da arte um lugar de provocação, inclusive sobre a própria arte. Seixas é conhecido por produzir sátiras e críticas sociais e ao próprio funcionamento do sistema artístico, seus agentes e convenções, utilizando frases de efeito, deboche e ironia. 

Vista de instalação (2011) de Jorge Pardo no neugerriemschneider, Berlim, Alemanha
(Foto: Jens Ziehe)

SÃO PAULO
Flamboyant
Individual de Jorge Pardo, de 7/12 a 2/3/2020, Pinacoteca, Praça da Luz, 2 | pinacoteca.org.br
O artista cubano Jorge Pardo ocupa o Octógono da Pinacoteca com esculturas suspensas, tapetes e algumas cadeiras de balanço, em uma curadoria de Jochen Volz. Pardo é conhecido por uma produção que está no limite entre arte e design tanto pela forma de seus objetos, quanto pela circulação livre entre instituições de arte e decoração de hotéis e ambientação de restaurantes. Essa limite se conecta com a própria história do prédio da Pinacoteca, que na sua origem era o Liceu de Artes e Ofícios. 

Tan Tan Bo (2001) de Takashi Murakami (Foto: Takashi Murakami/Kaikai Kiki Co)

SÃO PAULO
Murakami Por Murakami
Individual, de 4/12 a 15/3/2020, Instituto Tomie Ohtake, Av. Brigadeiro Faria Lima, 201 | institutotomieohtake.org.br
Cerca de 30 trabalhos de Takashi Murakami são apresentados ao público brasileiro, introduzindo o universo do artista que condensa a energia dos animes, a placidez da cultura tradicional japonesa e a cultura pop em uma complexa produção pictórica. Com um volume de produção quase industrial, no qual cerca de 100 assistentes trabalham nas múltiplas camadas de tinta das pinturas e gravuras, Murakami é um ponto chave de compreensão da fusão entre a arte do oriente e do ocidente na contemporaneidade.

Sem título (1966) de Antonio Bandeira (Foto: Ding Musa)

SÃO PAULO
Antonio Bandeira
Retrospectiva, de 10/12 a 1/3/2020, MAM, Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº | mam.org.br
O pintor cearense Antonio Bandeira (1922–1967) foi um dos pioneiros da abstração informal no Brasil, embora não tenha se filiado a nenhum grupo ou movimento em torno dessa tendência. Com curadoria de Regina Teixeira de Barros e Giancarlo Hannud, a mostra reúne cerca de 60 trabalhos, desde telas figurativas e descritivas até suas últimas séries de tramas. Títulos evocam sensações e atmosferas da natureza e da vida urbana, como Ascensão das Favelas em Azul (1951) e Cais Noturno (1962-63).

Árida Solidão (1987-88) de Loio Pérsio (Foto: Paula Alzugaray)

RIO DE JANEIRO
A Poética da Imagem
Individual de Loio Pérsio, até 16/2/2020, Paço Imperial, Praça XV | amigosdopacoimperial.org.br
A exposição é uma primeira etapa de catalogação da obra do artista que desenvolveu sua obra em diversas cidades, como Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Vitória . Com mais de 100 obras organizadas cronologicamente, a exposição permite compreender as relações entre os interesses sociais e psicológicos tratados pelo artista e a construção das pinturas, apresentando uma introdução às mais de cinco décadas de produção do artista expoente do abstracionismo informal nos anos 1950.

Tentação, fotografia de Aldo S. Souza Lima

SÃO PAULO
Pictórico Surreal Moderno: O Retrato No Fotoclubismo Brasileiro
Exposição coletiva, de 5/12 a 4/4/2020, Foto Cine Clube Bandeirante, Rua Augusta, 1108 | fotoclub.art.br
Com curadoria de Iatã Cannabrava, 40 imagens pertencentes ao acervo da instituição foram selecionadas como forma de preservar a memória dos fotoclubes que estiveram em atividade no Brasil entre os anos 1940 e 1970. Entre os artistas participantes estão Francisco Albuquerque, Frederico Mielenhausen, Fredi S. Kleemann, Herros Cappello, Oswaldo Kneese Wircker, Palmira Giró, Paulo Minervini, Paulo S. Takayama, Sérgio Trevellin, Takashi Kumagai e Tufy Kanji. Duas oficinas sobre memória e retrato completam a programação da mostra. 

Janelas INvisíveis (2019) de Claudio Alvarez (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
Quando Vemos
Individual de Claudio Alvarez, até 6/2/2020, Galeria Lume, Rua Gumercindo Saraiva, 54 | galerialume.com
Quando Vemos é um título eloquente para a reunião das diversas traquitanas e objetos que Claudio Alvarez produz. Efeitos ópticos são apresentadas tanto em objetos que de fato produzem efeitos luminosos ou de vibrações em padrões, quanto em simulações. A descoberta do funcionamento de cada trabalho, daquilo que é real ou virtual, leva o público a experiências e reflexões sobre o ato de ver, suas possibilidades e falhas. 

Antúrios (1960) fotografia de German Lorca

RIO DE JANEIRO
Duplo Olhar: Pintura E Fotografia Modernas Brasileiras
Exposição coletiva, de 5/12 a 26/4/2020, Casa Roberto Marinho, R. Cosme Velho, 1105 | casarobertomarinho.org.br
Os curadores Marcia Mello e Paulo Venancio Filho selecionaram cerca de 60 pinturas e 160 fotografias da coleção Roberto Marinho para discutir as relações entre a imagem, o sujeito e mundo real. A exposição busca confrontar fotografia e pintura, com ênfase para como o contexto social e econômico do Brasil atravessa as obras escolhidas. Entre os artistas participantes estão Alfredo Volpi, Hélio Oiticica, Iberê Camargo, Geraldo de Barros, Marc Ferrez, Marcel Gautherot, Pierre Verger, Thomaz Farkas e Tarsila do Amaral.

Paisagem Marinha (2017) de Delson Uchôa (Foto: Divulgação)

RIO DE JANEIRO
Artistas GLC
Exposição coletiva, até 1/2/2020, Galeria Luciana Caravello, Rua Barão de Jaguaripe, 387 | lucianacaravello.com.br
Obras inéditas dos artistas representados pela galeria estão em exibição. Adrianna Eu, Afonso Tostes, Alan Fontes, Bruno Miguel, Daniel Escobar, Delson Uchôa, Gê Orthof, Gisele Camargo, Igor Vidor, Ivan Grilo, Marcelo Solá, Ricardo Villa, entre outros estão reunidos em uma exposição de verão. 

Na estrada de ferro de Santos a São Paulo (c.1880), de Marc Ferrez

RIO DE JANEIRO
Marc Ferrez: Território E Imagem
Retrospectiva, de 7/12 a 15/3/2020, IMS, Rua Marquês de São Vicente, 476 | ims.com.br
Com obras pertencentes ao acervo do Instituto Moreira Sales e curadoria de Sérgio Burgi, a exposição reúne mais de 300 fotografias, álbuns, equipamentos e câmeras de um dos mais importantes fotógrafos brasileiros do século 19. A mostra esteve anteriormente no IMS Paulista e oferece um amplo panorama da produção de Ferrez, de seus registros do desenvolvimento urbano aos resquícios da escravidão da sociedade brasileira. Em complemento à mostra, um seminário sobre preservação e conservação fotográfica ocorre entre os dias 10 e 12/12. 

Frame de vídeo de Guerreiro do Divino Amor (Foto: Divulgação)

BRASÍLIA
Triangular: Arte Deste Século
Exposição coletiva, de 6/12 a 6/2020, CAL UnB, SCS Q. 4 Sala 103 | acervocal.unb.br
Com curadoria de Ana Avelar e Gisele Lima, a exposição apresenta obras recém adquiridas para o acervo da Casa de Cultura da América Latina (CAL). Artistas como Ana Teixeira, Aline Motta, Bárbara Wagner, Dalton Paula, Guerreiro do Divino Amor, Laercio Redondo, Lyz Parayzo, Sérgio Sister, entre outros, doaram suas obras para a instituição. O título da exposição faz referência à “abordagem triangular”, metodologia cunhada pela educadora Ana Mae Barbosa para o ensino da arte. 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.