Sobre palavras surdas

Exposição solicita aspecto político da palavra e resiste a resultados de eleições presidenciais no Brasil

Luana Fortes
Vermelho Como Palavra Ainda É Uma Cor Fantasma (2018), néon de Lívia Aquino (Foto: Bruna Sizilio)

O ponto de partida da exposição Água Da Palavra/Quando Mais Dentro Aflora foi a proposição que a curadora Galciani Neves fez a artistas para traduzirem uma obra da literatura brasileira em um trabalho de arte. Mas diante de “nossos maus tempos políticos”, como descreve Neves em texto curatorial, a coletiva adquiriu um papel de resistência. Em abril de 2018, quando aconteceu sua primeira montagem em Berlim, Dilma Rousseff já havia sido destituída, Marielle Franco assassinada e Lula encarcerado. Ao chegar, seis meses depois, no Instituto Cultural Adelina, a mostra precisou criar novas raízes diante da iminente, depois efetiva, eleição de Jair Bolsonaro para a Presidência do Brasil. “Aqui a exposição ganha um aspecto de denúncia e até mesmo de militância”, diz Galciani Neves à seLecT. A versão nacional tem mais obras e mais artistas, com Deco Adjiman, Jorge Menna Barreto e Elida Tessler. 

“Pode ser muito lírico falar da palavra nas artes visuais e se concentrar nesse processo de criação – como forma, como fatura –, mas acho que pensar na palavra, na pronúncia, na performatividade do corpo que elabora esse conteúdo é um importante gesto político”, diz. O trabalho Vermelho Como Palavra Ainda É Uma Cor Fantasma (2018), de Lívia Aquino, recebe o público na vitrine do instituto com a frase escrita em néon: “Menina, nós queremos saber a verdade, pelo amor de Deus, o que este homem fez com você?” A sentença foi proferida por um general a Lázara, uma menina que foi estuprada por 11 homens na ditadura militar. A frase foi usada em matérias jornalísticas para demonstrar a suposta preocupação do general, mas o trabalho de Aquino denuncia o cinismo da frase, capaz de silenciar Lázara. A artista explicita que, para o entendimento da palavra, importa o corpo de quem diz, de quem escuta e do contexto em que ela é dita. A depender da combinação desses elementos, uma palavra pode tornar-se surda e muda. 

Jorge Menna Barreto criou tapetes inéditos da série Desleituras (2011-2018) para cada trabalho exibido na mostra. Partindo de processos associativos entre diferentes palavras, o artista construiu termos que irrompem possibilidades de leitura das obras. “Quando viemos pra cá e os problemas políticos se acirraram de uma maneira mais séria, entendi que a exposição precisava de um chão, literalmente, uma espécie de pista de pouso”, diz a curadora. Com as ilhas de Menna Barreto é possível caminhar entre os trabalhos, assuntos e mecanismos de tradução, além de pensar em eventuais respostas à eleição de um presidente que ameaça a liberdade e a vida de muitos. A mostra é um manifesto e o texto curatorial de Galciani Neves contém as hashtags #elenão e #mariellepresente.  

  • Depois do antes e do depois (2017-2018), de Anna Guilhermina (Foto: Edson Lopes Junior)
  • Enlutada (2018), de Karina Machado (Foto: Edson Lopes Junior)
  • Trabalho de Elida Tessler (Foto: Edson Lopes Junior)

Serviço
Água Da Palavra/Quando Mais Dentro Aflora
Até 30/3/2019
Instituto Cultural Adelina
Rua Cardoso de Almeida, 1.285 – São Paulo
adelinagaleria.com.br

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.