SP-Arte por seus personagens

Nino Cais, Sandra Cinto, Vicente de Mello, Vitor Mizael, Juliana Blau, Emílio Kalil, Mario Gioia e Celso Fioravante indicam obras e stands que mais chamaram atenção nessa edição

Luciana Pareja Norbiato

Publicado em: 09/04/2014

Categoria: Da Hora, Mercado de Arte

Nino Cais ao lado de sua obra e trabalho da dupla Allora & Calzadilla, que ele escolheu como destaque

Quem melhor que os insiders da SP-Arte para dizer o que mais chamou a atenção durante a feira? Algumas personalidades do mundo das visuais contaram à reportagem de seLecT quais obras eles desejariam comprar e de quais stands eles mais gostaram.

A dupla meio cubana, meio norte-americana Allora & Calzadilla foi a escolha do artista Nino Cais, participante da feira pela Carbono e Central Galeria de Arte. A obra em questão é a assemblage  I Have Forgotten My Umbrella (2011), que figurou no stand da britânica Lisson Gallery.

Cais também elegeu duas galerias na SP-Arte: “Gostei dos stands da Casa Triângulo e Jaqueline Martins. Gosto de stands em preto e branco. Prefiro menos! Para poder focar em cada trabalho.”

Emílio Kalil

Emílio Kalil posa entre as colunas da obra de Franz Weissman, que ele gostaria de comprar

Ex-Secretário Municipal de Cultura do RJ e atual diretor da Cidade das Artes, Emílio Kalil declarou que sua obra dos sonhos desta edição é a Coluna em Fitas (1977-85), de Franz Weissmann. “Adoraria comprá-la.” A escultura em aço pintado estava exposta na Lurix.

Vicente Dentro

Vicente de Mello e sua obra de desejo, de autoria de Paulo Climachauska

A galeria carioca também exibiu a obra desejada pelo fotógrafo Vicente de Mello, Economic Grafic Production (2014). Nela, o artista Paulo Climachauska subverte um gráfico de escalas de valor do petróleo ao redor do mundo. Extraindo os dados, sobram as trajetórias irregulares que mostram a posição ocupada por cada país em cores vibrantes, num resultado que beira o pop. “Cada cor mostra um país diferente, mas olhando não dá pra descobrir do que se trata”, disse Mello.

Sandra E Obra

Sandra Cinto e a obra Chão ou Vão, de Felipe Cohen

O voto da artista Sandra Cintro, que lançou livro-obra e figurou no stand da paulistana Casa Triângulo, ficou com Chão ou Vão, de Felipe Cohen. A obra, exibida pela Carbono (SP), consiste num jogo de armar em madeira que possibilita diferentes encaixes, e sua moldura funciona também como a caixa que guarda as peças.

Celso E Stand Copy

Celso Fioravante e um dos trabalhos de Daniel Murgel, da carioca Portas Vilaseca

O novo núcleo da feira, SOLO, de projetos de um único artista selecionado por Rodrigo Moura (Inhotim), teve uma galeria participante destacada pelo jornalista Celso Fioravante, a Henrique Faria Fine Art (NY). O que impulsionou sua escolha foi “o respeito, delicadeza e coragem ao abdicar de apresentar um pot-pourri de bom gosto e optar por um pequeno recorte (obras dos anos 70 e 80) de uma das maiores artistas brasileiras vivas, mas ainda pouco reconhecida pelo mercado: Anna Bella Geiger”.

Quanto à obra dos sonhos, Fioravante elegeu os trabalhos de Daniel Murgel, representado pela carioca Portas Vilaseca. “Murgel é um dos talentos da nova geração de artistas brasileiros, mas é fiel às suas propostas e não faz concessões pra agradar o mercado.”

1(1)

Juliana Blau e detalhe da obra de Nazareno que ela sonha ter

Sem stand na SP-Arte, a galerista Juliana Blau, da jovem galeria Blau Projects (aberta no ano passado), passou na feira ao lado de Mario
Gioia para conferir a atuação da concorrência e, quem sabe, fazer planos para a próxima edição da feira. Quando perguntada sobre qual obra gostaria de comprar, elegeu a caixa de Nazareno com miniaturas em seu interior, da Emma Thomas. “É linda, muito delicada.”

2(1)

A escolha de Mario Gioia: díptico de Donald Judd

O crítico e jornalista Mario Gioia selecionou o formalismo geométrico de um díptico de Donald Judd exposto na parede externa do stand da nova-iorquina David Zwirner, sem título (Schellman 42, 1968-69). “Essa obra é sensacional!”, empolgou-se.

Dsc03230

Vitor Mizael elegeu os violinos de Sandra Cinto no stand da Casa Triângulo

Artista representado pela Blau Projects, Vitor Mizael derreteu-se pelas caixas com violinos confundindo-se com a partitura, Dueto (2013) e Pausa I (2013), ambas realizadas por Sandra Cinto em grafite sobre papel e exibidas na Casa Triângulo. “São de uma sutileza, uma leveza rara, são a melhor coisa da feira, sem dúvida”, declarou Mizael.

Tags: , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.