Tamanho não é documento

Repertório da obra de Ai Weiwei cai em contradição na megaexposição em São Paulo

Daniela Bousso
Reto (2008-2012), de Ai Weiwei (Foto: Carol Quintanilha)

Mestre em articular diálogos e fricções entre a tradição chinesa e a realidade mundial de hoje, Ai Weiwei usa todos os meios de que a arte dispõe. Estão em pauta procedimentos artesanais e manufaturados e também a fotografia, o vídeo e a impressão sobre diferentes suportes. Várias obras mostram helicópteros de guerra, soldados, imigrantes com bagagens, barracas de acampamento e guindastes de demolição. Esculturas em porcelana da série Vasos Empilhados com Motivos de Refugiados (2017) e a instalação Odisseia (2016), em papel de parede impresso com desenhos em preto e branco, repetem à exaustão essas imagens ao longo da mostra, o que pode esmaecer a força de seus conteúdos.

Vigor e energia comovem na instalação Reto (2008-2012). Weiwei retirou 164 toneladas de aço das ruínas dos “edifícios de tofu”, escolas mal construídas pelo governo chinês e arrasadas pelo terremoto de Sichuan em 2008. Centenas de vergalhões desentortados à mão por dezenas de pessoas memorizam a tragédia e trazem o sonho poético de uma nova vida, simbolizada pelo restauro do material.

Várias obras da mostra aludem ao sexo com conteúdos duvidosos. F.O.D.A (2018), três esculturas em porcelana que aludem ao coito formam sigla com as primeiras letras de alimentos brasileiros: Frutas do conde, Ostras, Dendês e Abacaxis. Ai Weiwei perguntou ao curador Marcello Dantas qual a primeira coisa que lhe vinha à mente quando pensava no Brasil, ao que ele respondeu: frutas. Imediatamente, Weiwei associou a resposta ao título maroto e criou a obra. Em entrevista a seLecT, Weiwei referiu-se à porcelana como meio de comunicação entre a cultura chinesa e a brasileira. E afirmou que o sentido da sigla para ele seria o lado positivo da palavra – a gíria em português – diferentemente da palavra Fuck em inglês. O artista teria usado a sigla para ressaltar a diversidade, a sensualidade e a beleza, por meio dos alimentos e frutas e que cada elemento representa um diferente aspecto, tal como a Ostra que representa a costa brasileira.

Duas Figuras (2018), de Ai Weiwei (Foto: Paula Alzugaray)

 

Duas Figuras (2018) traz uma mulher baiana e negra nua, deitada sobre um colchão ao lado do corpo do artista também nu. Ormosias Arbóreas – sementes brasileiras vermelhas em profusão – contornam a cabeça do artista e completam a alegoria. Ainda que Weiwei e a modelo não tenham se conhecido, a instalação exala o cheiro de fantasia e turismo sexual baratos. Ali pairam sonhos eróticos que orbitam o imaginário dos estrangeiros que vêm ao Brasil, de forma vulgar. Por ironia, a legenda no espaço expositivo comenta a “reflexão” do artista sobre a “ostensiva sexualidade na cultura brasileira”. 

Que inversão é essa? Estas obras, que se juntam à ideia da mitificação das florestas em Terra de Raízes (2018), reúnem estereótipos brasileiros que não queremos mais. Se tudo é mega em Weiwei e não existem barreiras para construir seus trabalhos com a ajuda de grandes equipes, por outro lado, podemos dizer que tamanho não é documento. Subsidiado pelo aporte dos afluxos brutos do capital – provenientes do sistema que Weiwei denuncia –, o repertório da obra cai em contradição. 

Escultura em madeira da série Ex-votos (2018), de Ai Weiwei (Foto: Paula Alzugaray)

Pífio o comportamento de Weiwei no debate organizado no Sesc Pinheiros às vésperas das eleições 2018. Não respondeu às perguntas e indagou por que responder. A performance marrenta resultou na ação de um clown, imagem que destoa daquela que o consagrou como ativista em prol da democracia. Ao desrespeitar seu colega Michelangelo Pistoletto, o curador e o público, Ai Weiwei atestou sua confusão entre irreverência e desrespeito e um ego inflado de pop star, insensível ao país que atravessa um momento delicado e ainda acolhe a sua obra com honrarias.

Serviço
Ai Weiwei Raiz
Até 20/1/2019
Oca, Parque do Ibirapuera
Av. Pedro Álvares Cabral, Portão 3 – São Paulo
parqueibirapuera.org

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.