#tbt Latinos for export

A barganha de signos, imagens e bens simbólicos da América Latina, na análise ácida do jornalista Nirlando Beirão, em 2011

Paula Alzugaray

Publicado em: 07/05/2020

Categoria: #tbt, Destaque

Detalhe de colagem de Nino Cais produzida especialmente para a seLecT #2

Na edição do último verão – Latinx -, a seLecT abordou a produção artística e cultural da América Latina. Mas essa não foi a primeira vez que nos dedicamos integralmente a refletir sobre as conjunturas que delimitam os significados das muitas identidades possíveis latino-americanas. A edição #2, de outubro de 2011, que teve como título Habla-se Portuñol, elegeu o idioma anárquico das fronteiras como parábola das relações entre o Brasil e seus vecinos. Essa edição contou com a preciosa colaboração de Nirlando Beirão, no texto Latinos for export, em que o jornalista e escritor aponta como signos e imagens culturais da região são disparados à categoria de mercadoria para exportação. 

Informação e opinião rodopiam de braços dados e riso solto no delicioso texto de Nirlando. “É de se orgulhar que o icônico Abaporu, de Tarsila do Amaral, imponha-se hoje, com merecida pompa, no Museu de Arte Latino-americana de Buenos Aires, em vez de repousar no MoMA, no MFAH (Museu de Houston) ou dormitar na sala de visitas de algum magnata de São Paulo”, opina, implacável. A edição conta, ainda, com colagens do artista Nino Cais, realizadas especialmente para a matéria. 

Da ética, do humor fino e da elegância intelectual de Nirlando Beirão, o Brasil vai carecer nestes tempos sombrios. O jornalista nos deixou na quinta feira 30/5, aos 71 anos, vítima de complicações decorrentes de uma esclerose lateral amiotrófica (ELA). Do amigo e colaborador, guardamos a sinceridade, a sagacidade do olhar e o prazer dos encontros, que é onde brotam os melhores textos. Porque estes, felizmente, ficam.

Tags: , , , , , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.