#tbt Lugar de fala

Em reportagem de 2018, Luana Fortes analisa o manual da filósofa Djamila Ribeiro e suas implicações na produção artística

Da redação

Publicado em: 06/08/2020

Categoria: #tbt, Destaque

Still do filme Terremoto Santo (2017) da dupla Bárbara Wagner e Benjamin de Burca (Foto: Divulgação)

Na seLecT #38, publicada em fevereiro de 2018 e dedicada ao tema Gênero, a jornalista Luana Fortes discute o Lugar de fala, conceito explorado pela filósofa Djamila Ribeiro em livro homônimo. O questionamento da autoridade de vozes dominantes em relação aquelas que têm a experiência em seus próprios corpos é trazido para o campo da arte na seguinte formulação: “Pode um artista falar sobre tudo?”. A resposta, para Fortes, talvez esteja nas metodologias.

A jornalista analisa as obras do fotógrafo Miguel Rio Branco, da dupla Bárbara Wagner e Benjamin de Burca e da artista Anaisa Franco como exemplos complexos de nomes que falam sobre contextos diferentes dos quais pertencem, mas, ainda assim, mantêm uma relação respeitosa com seus colaboradores e com os assuntos tratados. 

Nesta semana em que o conceito de lugar de fala voltou para o centro do debate público – após a historiadora Lilia Schwarcz publicar análise sobre o novo filme de Beyoncé na Folha de S.Paulo –, vale ler ou reler essa discussão aqui

Tags: , ,

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.