#tbt O preço da arte

Em 2013, Márion Strecker ouviu artistas, colecionadores e galeristas para mapear os critérios e contradições de precificação de uma obra de arte

Da redação

Publicado em: 15/10/2020

Categoria: #tbt, Destaque

José Olympio Pereira em fotografia de Bob Wolfenson

Na edição #14 da seLecT, publicada em outubro de 2013 e dedicada ao tema Mercado de arte, a jornalista Márion Strecker entrevistou Danilo Santos de Miranda (diretor  rgional do Sesc SP), Jac Leirner (artista), José Olympio Pereira (colecionador), Julia Sander (colecionadora), Xiclet (artista e proprietária de espaço de exposição independente), Aloisio Cravo (leiloeiro), Dado Castello Branco (arquiteto e decorador), Lisette Lagnado (crítica e curadora) e Cleusa Garfinkel (doadora) para compreender os critérios usados na precificação de uma obra de arte. 

Em O preço da arte, ficam evidentes as tensões entre público e privado, assimetrias de poder, instrumentalização social, bem como instabilidades do mercado de arte. Esta semana, após sete meses de isolamento social, a ArtRio foi a primeira feira a reabrir presencialmente, aquecendo as transações econômicas não apenas dos primeiros impactados pelo mercado de arte, como colecionadores, artistas e galeristas, mas também daqueles tantos trabalhadores nas bordas do sistema, como montadores. Para ouvir as contradições desse sistema, vale ler ou reler as entrevistas aqui.

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.