Um dia no Valongo

Até domingo 8, Festival Internacional da Imagem, em Santos, cria plataforma de construção da memória a partir de outras histórias

Paula Alzugaray
Vista da exposição Excessossenus, de Cristina de Middel e Bruno Morais

Nas curvas da estrada de Santos, desci a serra conversando com Cao Guimarães, que foi convidado pelo Valongo – 2º Festival Internacional da Imagem 2017, a participar de uma mesa de conversa e a ministrar um workshop. Ele chegara em Guarulhos de Montevideo, onde vive há um ano. Falávamos de memória, e ele dizia do quanto suas lembranças estão vinculadas a imagens filmadas ou fotografadas, e de como a maior parte daquilo que não foi registrado, cai em esquecimento. Então me lembrei de uma frase que ele disse certa vez – não sei se em mesa de conversa pública, ou em mesa de bar –: “todos os meus filmes são filmes de viagem”.

Mas isso foi antes de 2013, quando Cao Guimarães realizou o longa-metragem “O Homem das Multidões”, em parceria com Marcelo Gomes, pois este é o primeiro de seus filmes que não foi feito sobre ou durante uma viagem. Hoje, ao contrário do deslocamento, Cao versa sobre a espera. Este é o tema de seu novo longa-metragem, em processo.

Centro histórico e bairro portuário de Santos, onde a cidade nasceu no século 16, o Valongo é o cenário perfeito para um festival da imagem. Primeiro por ser incrivelmente fotogênico e abrigar uma variedade de manifestações populares e culturais – do Quartel General do Samba G.R.C.E.S X9 ao Museu do Café. Segundo porque é hoje foco de acirrados debates sobre arquitetura, urbanismo e revitalização. O festival capitaneado por Iatã Cannabrava e Thamyres Matarozzi se engajou de forma estratégica ao debate e, desde a primeira edição, em 2016, atua como um vigoroso polo de reflexão e ativação cultural local, instalando suas ações e exposições em ruínas de edifícios dos séculos 18 e 19. No Festival do Valongo, não apenas a fotografia, mas o contexto em que ela está inserida, estão em primeiro plano.

Em statement, Cannabrava postula que a intenção do festival é incentivar a sociedade brasileira a desenvolver uma cultura sólida e sistemática de documentação, bem como promover o resgate e acervo dos materiais já produzidos. “Sendo assim, utilizamos o festival como plataforma para lançarmos um movimento que busca ampliar as bases de construção dessa memória, chamado RGB – Registro Geral Brasileiro.”

Meta absoluta do festival, a memória foi o tema da conversa com Cao na Serra do Mar, e do debate “Arquivo e Imagem em um Brasil sem Memória”, com as presenças do artista Jaime Lauriano, do cineasta Marcelo Gomes e da curadora Diane Lima. “A função do cineasta não é narrar a história. É transformar a história em ato dinâmico”, disse Humberto Mauro, lembrado por Marcelo Gomes. As participações na programação de artistas e formadores de opinião como Rincon Sapiência, Preta Rara e Midia Ninja sem dúvida ajudam a dinamizar a história.

Instigada pela estonteante fotogenia local e pelo desafio lançado por Cannabrava de sistematização da memória e da documentação, realizo aqui uma narrativa visual do Valongo 2017.

  • Cao Guimarães: "Todos os meus filmes são filmes de viagem"
  • Cao Guimarães: "Todos os meus filmes são filmes de viagem"
  • Cao Guimarães: "Todos os meus filmes são filmes de viagem"
  • Detalhe da exposição "Minha Vida Irá Mudar + Não Tenho Medo Porque Não Tenho Nada", da portuguesa Patricia Almeida, nos Arcos do Valongo, e vaso de Comigo-Ninguém-Pode em rua do Valongo, inevitável lembrança da série de Regina Vater, dos anos 1970
  • Detalhe da exposição "Minha Vida Irá Mudar + Não Tenho Medo Porque Não Tenho Nada", da portuguesa Patricia Almeida, nos Arcos do Valongo, e vaso de Comigo-Ninguém-Pode em rua do Valongo, inevitável lembrança da série de Regina Vater, dos anos 1970
  • Detalhe da exposição "Minha Vida Irá Mudar + Não Tenho Medo Porque Não Tenho Nada", da portuguesa Patricia Almeida, nos Arcos do Valongo, e vaso de Comigo-Ninguém-Pode em rua do Valongo, inevitável lembrança da série de Regina Vater, dos anos 1970
  • Imagens da exposição Excessossenus, de Cristina de Middel e Bruno Morais, na Casa da Frontaria Azulejada
  • Imagens da exposição Excessossenus, de Cristina de Middel e Bruno Morais, na Casa da Frontaria Azulejada
  • Detalhes da exposição "Visões de Um Poema Sujo", nas ruínas do Valongo
  • Detalhes da exposição "Visões de Um Poema Sujo", nas ruínas do Valongo
  • Detalhes da exposição "Visões de Um Poema Sujo", nas ruínas do Valongo
  • Feira Plana e oficinas
  • Feira Plana e oficinas
  • Feira Plana e oficinas
  • A Vila Progresso, em plano e contra-plano, vista do Valongo
  • A Vila Progresso, em plano e contra-plano, vista do Valongo
  • No alto, Iatã Connabrava, diretor do Festival do Valongo, e  fotógrafo Giovani dos Santos Cunha (os dois vieram do Brooklyn!); acima, Dona Maria das Graças e Rosana Félix, coordenadoras do projeto Guerreiros do Progresso, que promove ações comunitárias, como o Cinema de Rua, na Vila Progresso, em Santos
  • No alto, Iatã Connabrava, diretor do Festival do Valongo, e  fotógrafo Giovani dos Santos Cunha (os dois vieram do Brooklyn!); acima, Dona Maria das Graças e Rosana Félix, coordenadoras do projeto Guerreiros do Progresso, que promove ações comunitárias, como o Cinema de Rua, na Vila Progresso, em Santos
  • Madrugada chegou. Acima, entrada do Teatro Guarany, onde acontecem os debates; no alto, Vigília comandada pelo coletivo Mídia Ninja, durante toda a noite.
  • Madrugada chegou. Acima, entrada do Teatro Guarany, onde acontecem os debates; no alto, Vigília comandada pelo coletivo Mídia Ninja, durante toda a noite.
  • Madrugada chegou. Acima, entrada do Teatro Guarany, onde acontecem os debates; no alto, Vigília comandada pelo coletivo Mídia Ninja, durante toda a noite.
Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.