Um mundo pós-virtual

Publicado em: 05/09/2011

Categoria: Editorial, seLecT#00

Com o fim da diferenciação entre real e virtual, entramos em novo território: um lugar no qual natureza e cultura também são indistintas

Select00-editorial03

Selecionar tudo ou apenas uma área? A palavra select ganha centralidade com a digitalização da cultura. As capacidades de discernir, enfocar e selecionar tornam-se, subitamente, algumas das necessidades mais prementes neste tempo de transbordamento de informações.

Imbuída do revigoramento dessa palavra, a revista seLecT se oferece como mais uma ferramenta de navegação na cultura contemporânea. Buscamos, por isso, enfocar uma área selecionada, um tema que pode ser urgente, mas também estar negligenciado, escondido no mar de fenômenos arquivados nas redes de comunicação.

Queremos introduzir ao leitor ideias que ele não estava esperando, criar discussões sobre temas que estão na rua, na web, na tevê, na mídia, mas que haviam passado despercebidos.

O fim do virtual é o primeiro desses grandes temas. Mas, atenção, não estamos dando a falsa pista de uma nova bolha da internet, colocando a vida digital sob suspeita ou promovendo a volta do analógico em detrimento do uso das mídias digitais. 

Giselle Beiguelman, editora-chefe de seLecT, atualiza essa discussão: vivemos um novo paradigma cultural, em que é impossível sustentar os antigos muros que separavam a realidade da virtualidade.

A escolha desse tema para a edição inaugural é significativa. seLecT é um projeto pensado para uma nova geração de leitores que transitam criativa e livremente por ambos os universos. Uma revista que mostra como as novas tecnologias modificam diariamente a cultura, a sociedade e o meio ambiente. 

Sintomática dessa percepção foi a nossa escolha por trabalhar com colunistas convidados a cada edição, que ocupam nossas seções de Colunas Móveis e áreas editoriais abertas – os SeLecTs –, em que convidados dão suas listas de links e são acompanhados por
ilustradores. 

Neste número, contamos com Ivana Bentes, Ucho Carvalho e Renata Gomes nas Colunas Móveis, e com Facundo Guerra, Cia. de Foto, Dora Longo Bahia, Fernanda Chieco e Carla Caffé nos SeLecTs.

O que é real e o que é virtual? É a pergunta que fizemos aos colaboradores desta edição. João Carrascosa conta as histórias paralelas de duas “bonecas”, Barbie e Ângela Bismarchi, para dizer que estamos próximos da total indiferenciação entre corpos naturais e artificiais.
Marília Scalzo entrevista quatro arquitetos para entender a influência da tecnologia no aparecimento de uma nova estética construtiva, baseada em formas tortas. 

Ronaldo Lemos e Vivian Caccuri expandem essa discussão para o rock e explicam por que a internet amplia os espaços da música ao vivo para além dos palcos. 

Com o fim da diferenciação entre real e virtual, entramos em novo território: um lugar no qual natureza e cultura também são indistintas. Angélica de Moraes, editora de Artes Visuais de seLecT, é a autora do perfil do artista Olafur Eliasson, que em projetos como a cachoeira da Brooklyn Bridge de Nova York mimetiza paisagens e fenômenos naturais por meio de uma complexa articulação de conhecimentos científicos. 

Já Nina Gazire, repórter de seLecT, destaca cinco artistas brasileiros que trabalham na linha que delimita o natural e o artificial. A costura visual de todos esses inputs ficou a cargo de Ricardo van Steen e Cassio Leitão, que respondem, respectivamente, pela direção de arte e projeto gráfico da revista.

A área selecionada na edição inaugural de seLecT aponta para uma “próxima natureza”, resultado da abrangência das redes e da presença do digital em todos os campos. Aponta também para a necessidade de outro jornalismo cultural, comprometido com o nosso presente.

Paula Alzugaray
Diretora de redação

Select00-editorial01Select00-editorial02

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.