Vídeo de artista: Paisagem Danada, de Lucas Bambozzi

Síndrome associada ao sofrimento causado por mudança ambiental muito abrupta pauta nova pesquisa artística

Giselle Beiguelman

N° Edição: 47

Publicado em: ANO 09, Nº 47, Jun/Jul/Ago 2020

Categoria: Destaque, Em Construção, seLecTV, Vídeo de Artista

Paisagem Danada, série de vídeos de Lucas Bambozzi no quadrilátero ferrífero de Minas Gerais, é um desdobramento de estudos feitos para o filme Lavra, que ele dirige e deve ser finalizado neste ano. No documentário, as imagens aéreas remetem ao conceito de solastalgia, uma síndrome associada ao sofrimento causado por uma mudança ambiental muito abrupta.

Produzidos com a ferramenta Earth Studio, do Google, que agrega imagens aéreas de diferentes fontes, a partir de coordenadas de latitude e longitude, os vídeos condensam um perturbador voo sobre o estado de desequilíbrio (ecológico, social e econômico) que nos espreita de todos os lados. Operando no limite entre o hiper-realismo maquínico e as dores de um espaço violentado pela devastação dos recursos naturais, da terra e da água, Bambozzi adentra no espaço aéreo antes reservado apenas às mineradoras que atuam na região.

“Se antes usurpavam apenas as entranhas da terra, de forma barulhenta, mas quase invisível, a danação da paisagem (que produzem) passou a ser de conhecimento muito mais amplo, principalmente depois da ruptura criminosa de barragens mal construídas e pouco cuidadas, em 2015 (Mariana) e 2019 (Córrego do Feijão)”, diz. Nas imagens desses sobrevoos sintéticos, enuncia-se uma agonia que “se intromete nos olhos como poeira de minério de ferro suspenso no ar”.

Leia o texto do artista sobre o projeto Paisagem Danada aqui.

Tags: , , , , , , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.