Volta ao mundo com 10 diretores

Francesca Azzi

N° Edição: 6

Publicado em: 20/08/2012

Categoria: Selects, Vídeo

Um mundo à parte da indústria do entretenimento, o cinema autoral possui milhares de festivais, um público imenso, poucas estrelas que ficam e um mercado forte

Béla Tarr, Hungria

Ganhador do Urso de Prata na Berlinale com O Cavalo de Turim (2011), declarou que esse seria seu último filme. Em Cannes 2012, apresentou, como produtor, o filme FinalCUT, de György Pálfi.

Hong Sang So, Coreia do Sul

Dirige um filme ou mais por ano. Como diretor de uma história só, cria versões diferentes para temas, personagens e narrativas idênticas. Seu último filme, Da-Reun Na-Ra-E-Suh (In Another Country), concorreu à Palma de Ouro em Cannes.

https://www.youtube.com/watch?v=_TKHqEFtUEI

Naomi Kawase, Japão

Das experiências documentais em vídeo ao cinema narrativo ficcional, destaca-se como uma das únicas mulheres japonesas a ganhar prêmios e a rodar o mundo com sua obra. Seu último filme, Hanezu no Tsuki, traz uma história de amor proibido.

Apichatpong Weerasethakul, Tailândia

Já levou uma Palma de Ouro em 2010. Além de filmes com ritmo e temas singulares, constrói obras imersivas para galerias e museus. Seu novo filme, Mekong Hotel, esteve em sessão especial em Cannes 2012.

Claire Denis, França

dirigiu filmes memoráveis, como Nénette et Boni, Vendredi Soir e 35 Ruhms e seu último longa, White Material (Minha Terra África), foi lançado no Brasil, mas sua obra permanece pouco conhecida por aqui.

Brillante Mendoza, Filipinas

Prêmio de melhor diretor em Cannes 2009, seu cinema é marcado pela linguagem virtuosa, com temas relacionados à violência e à pobreza. Colocou as Filipinas no mapa do circuito indie e seu último filme, Captive, com Isabelle Huppert, estava na Berlinale 2012.

Christian Petzold, Alemanha

Um dos expoentes da chamada Nova Escola de Berlim, seu cinema mistura rigor formal e angústia. Consagrou-se com Barbara e levou o prêmio máximo como diretor (Urso de Prata) na Berlinale 2012.

Miranda July, Estados Unidos

Artista, performer, escritora e diretora, July tem todos os requisitos para ser “a” estrela do mundinho indie. Seu último filme, The Future, traz a história de um casal em crise (ela é a atriz principal), contada por seu gato.

Aleksey Balabanov, Rússia

Conhecido como o David Lynch russo, dirigiu mais de 12 longas e expõe de maneira violenta e quase surrealista as feridas da antiga União Soviética. Sua verve kafkiana já levou grandes plateias ao cinema em seu país.

https://www.youtube.com/watch?v=BH8HFr3c2t8

Ursula Meier, Suíça

Com apenas dois longas, levou em Berlim o prêmio Menção Especial (Urso de Prata) com o filme L’enfant d’en Haut (Sister). Com o filme Home ganhou destaque em festivais. Alguém a se observar.

https://www.youtube.com/watch?v=VB2t6ir2vSU

*Francesca Azzi é curadora dos festivais Indie e Fluxus, que acontecem há 12 anos em Belo Horizonte e São Paulo. É também diretora da Zeta Filmes.

*Publicado originalmente na edição impressa #6.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.